7 de maio de 2021

Recorde de fusões no Natal

As festas de Natal foram suspensas para negociadores após o recorde de atividades de fusões e aquisições no final do ano.

Um total de 2.496 transações foram anunciadas globalmente nas duas semanas finais de 2020, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. É o maior volume para uma quinzena festiva já registrado, segundo os dados.

Mais de US$ 187 bilhões em ofertas ocorreram durante o período, liderados pela compra por US$ 9,6 bilhões da fabricante de software de gestão de propriedade RealPage pela firma de private equity Thoma Bravo. A Dyal Capital Partners anunciou uma fusão com a Owl Rock Capital Partners para criar uma gestora de ativos com US$45 bilhões sob gestão. Já a Lockheed Martin fechou um acordo para comprar a Aerojet Rocketdyne por US$ 4,4 bilhões e expandir sua divisão espacial.

“A atividade de ofertas durante o período de Natal reflete a expansão que começamos a ver no terceiro trimestre de 2020 e a capacidade reprimida acumulada há algum tempo”, disse Selina Sagayam, sócia-corporativa do escritório de advocacia Gibson Dunn & Crutcher.

As chamadas empresas de cheque em branco continuaram ativas. A consultoria butique Perella Weinberg Partners planeja abrir o capital por meio de uma fusão com um veículo patrocinado pela empresária de finanças Betsy Cohen. No Reino Unido, o Waterland Private Equity fechou um acordo para comprar por 1,1 bilhão de libras (US$ 1,5 bilhão) o Priory Group, uma rede de centros de saúde mental conhecida por tratar celebridades viciadas em drogas.

Os banqueiros não podem dizer que não foram avisados. No início de dezembro, Dirk Albersmeier, corresponsável por fusões e aquisições globais do JPMorgan Chase, disse que os negócios estavam crescendo em todas as regiões e setores e que os assessores não teriam uma longa pausa de Natal.

A corrida no final do ano marcou um segundo semestre forte em 2020, durante o qual banqueiros conseguiram recuperar a maior parte do terreno perdido para a pandemia de coronavírus no início do ano. Com a implantação das vacinas contra a covid-19 e a chegada do tão esperado acordo comercial entre o Reino Unido e a União Europeia, as compras e vendas corporativas devem seguir fortes em 2021.

“O fator de duplo mergulho da pandemia e do Brexit que afetou 2020 agora foi aliviado”, disse Sagayam, que trabalha em Londres. “Isso certamente é um bom presságio para o sentimento geral do mercado e para as fusões e aquisições em particular, à medida que entramos em 2021.”

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email