Queda do dólar dá fôlego ao comércio

Depois de iniciar o mês com a menor variação desde 1999, (R$ 1,558 para venda), o dólar comercial manteve o rumo ontem e encerrou o dia cotado em R$ 1,553.
Embora a sua desvalorização in­fluencie na briga da indústria a­ma­zonense com os produtos importados, ainda mais quando o principal concorrente (China) já che­gou a importar, de janeiro a maio, um montante 22,58% superior ao de 2010, saltando de US$ 1.33 bilhão para US$ 1.64 bilhão, de acordo com dados do Mdic (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), o comércio vê sinalizações positivas para o crescimento do setor.
O assessor econômico da Fe­comercio/AM (Federação do Co­mércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Amazonas), José Fer­nando Pereira, comenta que a desvalorização do dólar facilita o segmento comercial da região, que conta com uma grande parcela de itens importados.
Segundo a Sefaz (Secretaria de Estado da Fazenda), a arrecadação do imposto sobre mercadoria es­trangeira para o comércio já totaliza R$ 29,64 milhões nos seis meses do ano corrente, alta de 109,31% sobre igual período de 2010 (R$ 14,16 milhões).
No caso do comércio atacadista, que conta com aproximadamente 290 empreendimentos, entre pe­que­­nas e grandes empresas, o pre­sidente do Sindicato do Comércio Atacadista e Distribuidor do Estado do Amazonas, Enock Luniere, afir­ma que não existe exportação no ramo, por isso a atividade tem mui­tos ganhos com a depreciação da moeda americana. “As compras dos atacadistas devem aumentar entre 16% a 18% e a demanda na mesma proporção”, avaliou.

Poder de barganha

Para o assessor da Fecomercio/AM, a importação das mercadorias a um custo menor beneficia o próprio consumidor, pois influencia na redução do preço dos itens. Neste caso, o presidente em exercício da ACA (Associação Comercial do Amazonas), Ismael Bicharra, explica que há um acréscimo no consumo devido o aumento do poder de barganha.
Mesmo no caso da indústria, o dirigente esclarece que as mul­tinacionais podem realizar financi­amentos no exterior a tari­fa menor, resultando em baratea­mento no preço final. “No modo generalizado, evidentemente que vai afetar a economia de algum setor [indústria de componentes], porque não dá para ser uma coisa linear. Mas o consumidor acaba sempre tendo uma vantagem”, concluiu.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email