Que tal aumentar sua visibilidade na empresa que você trabalha hoje?

A visibilidade não deve ter atenção somente na busca por um emprego, mas também na manutenção e promoção no seu emprego atual.

Um importante ponto de atenção é que você pode fazer isso de duas maneiras: a positiva (é essa que queremos!) e a negativa (a que não queremos). Porém, antes de falar das coisas boas, vamos falar das ruins, para que fiquem bem na sua mente, a fim de que você evite tal experiência.

Tipos de profissionais

Em toda organização há os profissionais que se destacam por seus resultados com frequência, ou, quando não se destacam, fazem de tudo para serem diferenciados e se diferenciarem ao menos, da maioria.

Também há os profissionais que não se destacam, mas não passam despercebidos. Desempenham seus papéis, exercem suas tarefas, cumprem seus horários e fazem o que precisa ser feito.

Não podemos esquecer daqueles que simplesmente “existem”. Estão lá! Não atrapalham, mas nem sempre ajudam, apenas seguem. Seguem o que foram orientados a fazer. Em muitos casos, chegam a ser invisíveis até mesmo quando vai ser realizada alguma atividade, como um simples amigo secreto e não percebem que este colega de trabalho não foi chamado. Não por descaso, por não se lembrar dele.

Consequências

A invisibilidade deste profissional existirá somente até o momento que venha a ocorrer sua visibilidade negativa. Em avaliações que a empresa possa vir a fazer, este profissional provavelmente virá a ser o alvo, uma referência. Referência de alguém que não se relaciona, que não oferece nenhum diferencial, enfim, alguém que passou despercebido por tanto tempo, que se percebeu então, que na verdade, deixou de ser um grão de areia e passou a ser um elefante.

Um elefante no orçamento da empresa, pois o que a empresa espera em sua folha de pagamento, são profissionais que agreguem e se até o momento, nada foi agregado por este profissional, simplesmente percebeu-se que não há necessidade de mantê-lo, pois com certeza (para a empresa) alguém pode fazer muito bem o que ele faz.

É sabido que nem todos podem se destacar ou se diferenciar da maioria dos profissionais, mas no mundo corporativo, mais importante que aparecer, é não sumir. Afinal, como diz o ditado: “jacaré que fica parado, vira bolsa!”

Qual dos três tipos de profissionais você é? E qual você quer ser? Para se tornar diferente, a mudança precisa ser diária. Não é como uma dieta, que você faz por algum tempo e depois para. É algo que precisa se tornar um hábito, ou seja, algo que se faz todos os dias, sempre. Vamos trabalhar nisso (para o seu bem)?

Boa semana!

Fiquem com Deus!

*Paula Pedrosa é Diretora Executiva, Headhunter e Coach de Carreira da Paulo Pedrosa Headhunter & Associados. Colunista de carreira, mercado e imagem corporativa do Jornal do Commercio.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email