O cenário é desafiador? As perdas sofridas doem? Não esperávamos e fomos pegos de surpresa? É difícil avaliar como será o amanhã? Se respondeu “sim” para alguma dessas perguntas, já tem a exata noção do que nos acontece agora. Somente entender o cenário não nos levará para um campo de ação que realmente nos faça enfrentar os eventos que nos cercam, com a determinação de quem não se apega ao passado, de quem vive o aqui e agora, como muitos colocam nas redes sociais e no para-choque de caminhão: “Força, Foco e Fé!” é que podem nos levar para uma visão mais positiva sobre o futuro.

É preciso muito mais do que análise do cenário para conseguir avançar apesar das circunstâncias. Confesso que a motivação para este artigo foi escutar muitas pessoas em condições difíceis, mas com possibilidades de reação, reclamarem como se não fossem capazes de fazer nada para reagir. Também tenho acompanhado alguns clientes que têm equipes em home office e com comportamentos pouco assertivos para o momento, falando para a empresa que não está na descrição de cargos este pedido. Como se não entendessem que agora é tudo novo, novas configurações de trabalho se instalam, e uma nova relação profissional focada em resultado precisa ser atualizada no drive interno de todos nós.

Eu já escrevi muitos artigos sobre saúde mental, inteligência emocional, como tratar suas emoções neste período, e continuarei acreditando que muitas pessoas realmente estão sofrendo profundamente, e sua psique precisa de ajuda profissional para sair desta profundeza de não possibilidades a que nossa mente fragilizada nos leva, mas neste artigo quero refletir diretamente para tirar o  “mi mi mi”.

É hora de resgatar a força interior, reagir. Sair a campo em busca de alternativas e não com enfoque nos problemas, alimentar a coragem e não as desculpas, atuar como protagonista e deixar a vitimização de lado, colocar o medo na nossa frente e dizer que terá autogoverno sobre as emoções e não ser controlado por elas, falar para a empresa que está disposto a fazer o que precisa ser feito para continuar contribuindo da melhor forma, e não acreditar que estamos de férias em casa enquanto a alta administração pensa nas possibilidades de não “morrer” como negócio, ligar para um amigo e colocar-se a disposição ao invés de somar listas de desgraças que deixem os dois ainda mais para baixo.

É fácil? Claro que não é fácil. A raiz é “quem” queremos ser, para conseguirmos fazer o que precisa ser feito, para termos o que queremos. Não teremos o emprego de volta, os clientes comprando ou qualquer outra vontade se não decidirmos ser a pessoa que enfrenta, com a identidade do “eu sou” fortalecida, sabe por que? Porque não conseguirei fazer nada que não esteja pautado na certeza de que sou tudo o que preciso ser para enfrentar com ousadia e criatividade os inúmeros obstáculos que aparecem para mim neste momento. E convenhamos, não estamos sozinhos. Não está acontecendo comigo ou com você. Está acontecendo para mim e para você, aprendermos, transformarmos, resignificarmos e tantas outras oportunidades de renovação.

Se somos inteiros em nossa identidade, seremos menos migalhas em nosso fazer e o que tanto esperamos acontecerá, mesmo que depois de muitas lutas. E qual a nossa identidade? Você é livre para acreditar no que fizer mais sentido para você, mas como sou eu que escrevo, só consigo redigir dentro das minhas próprias crenças, e em termos de identidade creio que ela é formada por 5 pilares: O que as pessoas acham que eu sou. O que eu vejo a meu respeito. O que a cultura desenha na minha estrutura. O que meus pais implantaram em minha formação, mas principalmente o que DEUS diz a meu respeito.

O que as pessoas acham de mim tem um grau de relevância, mas convenhamos está mais ligada a expectativa delas a meu respeito do que realmente o que sou. O que vejo ao meu respeito pode ser tão embaçado neste momento que não enxergo a profundeza da centelha de amor que existe em mim. O que a cultura moldou cabe em um espaço limitado de opções. O que meus pais fizeram, com o melhor que eles podiam fazer, deixou marcas positivas e feridas a serem curadas. Agora, o que Deus diz que sou, me fortalece de tal maneira que reforça que posso ser uma mãe melhor, um empresária mais determinada, uma amiga mais dedicada, um filha mais amorosa, uma aluna mais disciplinada e tantas outras transformações do SER, para sair do mi mi mi e mergulhar em um fazer profundo de ruptura, de renovo, que será incrível.

Não sei se você acredita em Deus, quem é o seu Deus, o ser superior, a força, a luz que pode guiar você para a certeza de que é possível sair do sofrimento, é possível gerar energia de ação, é possível revitalizar a mente de coisas boas e fazer o que nunca fez, e nem poderia, porque nunca tinha vivido nada igual. Que tal pensar o que Deus acredita a seu respeito, encher o peito de ar e fazer para ter?

Eu acredito no Deus eterno que me criou a sua imagem e semelhança para que ao cumprir um plano bom, perfeito e agradável pudesse dominar, governar e multiplicar. Todas as vezes que me desvio desta identidade perco força, mas em todos os momentos que reconheço a sua grandeza e a minha pequenez, encontro o caminho do amor, da verdade e da vida.

É essa certeza que fará a contribuição necessária para recebermos tudo o que merecemos, mesmo frente as dores e batalhas. Não nos fará maiores, mas pode nos fazer melhores, pois traz paz interior e tranquilidade de quem sabe que tem uma missão grande para cumprir e até que ela se cumpra caminhará por picos e vales, e cada vale é oportunidade para um crescimento exponencial.

Se hoje vejo um cenário de vale? Sim. Eu vejo e posso estabelecer dentro dessa identidade um CAMPO de ação e fazer tudo o que posso em todas as áreas da vida para sair dele com boas histórias de superação para contar.

C – Concentrar no autoconhecimento e encontrar os recursos necessários para vencer.

A – Adquirir conhecimentos que elevarão minha estatura de competências para ação.

M – Movimentar meu potencial transformando-o em energia aplicada.

P – Produzir com afinco na direção do pico.

O – Obstinação em seguir apesar das dificuldades.

Eu SOU a força capaz de FAZER com foco o CAMPO de ação que TERÁ o incrível acontecendo. O nome disso é fé. Sigamos com ela.

Cintia Lima é Psicóloga, Master Coach e Mentora Organizacional [email protected] – 92 981004470

Fonte: Cíntia Lima

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email