11 de agosto de 2022
Prancheta 2@3x (1)
Quanto custa ser irresponsável, negligente e mal educado?

Quanto custa ser irresponsável, negligente e mal educado? Talvez para quem empregue essa prática não haja custo de maior expressão, mas para quem está do outro lado, para quem efetivamente sofre o dano há, inexoravelmente, não apenas um custo, um valor monetário, um prejuízo, mas várias oportunidades de se estabelecer seqüelas e vícios, o que é bem pior. Apesar da gama de normas e padrões de conduta discutidas e estabelecidas pela sociedade, a cada dia cresce o número de infratores que, a bel prazer, vivem se divertindo maquiavelicamente, sem ao menos se importar ou imaginar que um dia poderá ser o alvo de um abominável trote ou precisar de um serviço ou bem público e não terá sua necessidade atendida.
Considerando que todos os recursos que o Estado utiliza para manter suas atividades essenciais e ainda investir em projetos de melhoria da qualidade de vida da população, advêm das contribuições que cada um faz através dos impostos, não deveria haver espaço para tanto desperdício de dinheiro público, através de depredações e vandalismo contra o patrimônio público. Bem mais que pichar, quebrar ou inutilizar, passar trote para os serviços que servem para atender as emergências da população causa um prejuízo implícito aos cofres públicos, pois os desgastes das viaturas, sejam ambulâncias, policiais ou bombeiros não estão expostos, nesse primeiro momento.
Na ponta do lápis sabe-se que por causa de um trote muito dinheiro é jogado fora, quer seja pelos equipamentos utilizados ou no pagamento de pessoal para atender às falsas emergências. O que fazer, então? De plano, a primeira ideia que logo vem à cabeça, na tentativa de enfrentar essas atitudes reprovadas pela sociedade, passa pela escola. Mas não reside apenas na escola a fórmula para exterminar esses tipos de atitudes e manifestações marginais. Os pais, que muitas vezes acham bonitinho ver seus filhos praticando “pequenos deslizes”, teriam importante missão no combate a estas práticas. Educar é preparar para a vida. E o que poderemos esperar de um país onde muitos cruzam os braços e acham graça da desgraça alheia? O que esperar dos futuros mandatários, quando estes na infância tiveram as virtudes deturpadas por péssimos exemplos. O que esperar de uma multidão que precisa de ídolos para seguir em frente, tendo seus ídolos praticado algum tipo de deslize?
Às vezes, a sobrecarga de disciplinas contidas nos currículos escolares, independentemente de ser instituição pública ou particular, favorece a formação do aluno com o estrito interesse de dominar o conhecimento, com claro objetivo de apenas obter nota suficiente para ser aprovado e, por conseguinte, ter direito a um diploma que supostamente o credenciará a um bom lugar no concorrido mercado de trabalho. É nesse instante que se estabelece uma lacuna entre a formação de mão-de-obra, pura e simplesmente, e o cidadão preparado para a vida, no seu mais amplo sentido.
O poder público também tem que agir coibindo tal prática, já que os números dos telefones estão registrados nas chamadas. Só reclamar não adianta nada. O caminho seria o da notificação destes pais “responsáveis” por estas linhas telefônicas. Em caso de reincidência, alguma punição na forma da Lei deveria ser aplicada.
Não podemos esquecer a possibilidade de empreendermos um verdadeiro mutirão cívico envolvendo escolas, famílias, igrejas, meios de comunicação, políticos e até os artistas que chegariam ao público através de seu carisma e popularidade, visando o redirecionamento da pujante energia dos jovens, através da conscientização e orientação para o exercício da solidariedade. Nesse bojo, poderíamos ainda amenizar os constantes problemas causados pelas drogas, doenças sexualmente transmissíveis, alcoolismo e outras mazelas sociais. Assim estimularíamos essa massa a se apegar à prática da cidadania e ao hábito do voluntariado.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email