Pro Teste aponta planos de ­telefonia celular mais vantajosos

Para o consumidor co­nhecer quais os planos de telefone celular mais vantajosos do mercado, a Pro Teste fez um estudo detalhando as tarifas mais econômicas entre os 877 pacotes analisados nos nove Estados pesquisados, mais Distrito Federal.

O telefone pré-pago se mostrou desvantajoso na análise que envolveu 685 pós-pagos e 192 pré-pagos. O pré-pago representa 80% do mercado, já que não há obrigação de pagamento mensal, mas só compensa para quem faz pou­quíssimas ligações, pois o custo pode ser até o dobro dos planos pós-pagos.

No estudo, foram elabora­dos três perfis para indicar o plano mais adequado para cada situação. O consumidor pode verificar em qual de­les se encaixa melhor ou tentar criar o seu a partir dos critérios utilizados.

Foi disponibilizado no site www.proteste.org.br um simulador que permite conhecer as melhores tarifas para os Estados pesquisados.

Para descobrir o plano mais indicado, o consumidor precisa responder às perguntas sobre os hábitos de uso do celular e na hora é apontado o pacote mais econômico.

A Pro Teste orienta o consu­midor antes de optar por um pla­no, identificar o perfil de consumo (quem telefona mais em horário comercial; quem tem parentes ou amigos longe, ou quem gosta ou precisa falar muito), para não gastar além do necessário. Dentro de cada um desses perfis, foi estipulado na pesquisa quatro cenários que variam conforme o tempo despendido com o celular por mês. Os planos mais econômicos pouco varia­ram. O que mu­da mesmo é a quantidade necessária de minutos a ser contratada.

Os planos pós-pagos de mi­nutos foram os mais econômicos. Nos estudos anteriores, a Claro tinha se destacado por oferecer os planos mais baratos. Desta vez, não. Exceto em Pernambuco e Minas Gerais, onde não atua, a Vivo foi sempre a melhor opção. Sinal de que a concorrência, pelo menos nesse setor, funciona no país.

Para estabelecer o perfil de uso o consumidor deve listar a quantidade de chamadas rea­lizadas por mês, discriminando quantas são locais e interurbanas dentro ou fora da área de concessão. O ideal é dividir os tipos de ligações conforme o destino (para telefone fixo, celular da mesma operadora ou celular de outra operadora). E estimar a duração média das chamadas em minutos. Também é importante verificar o horário em que realiza mais chamadas (de tarifa normal ou reduzida).

A pesquisa abrange os Es­tados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, San­ta Catarina, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Bahia e DF.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email