Preparando o recomeço do turismo

O cenário de retomada alinhado aos protocolos sanitários necessários para reabertura das agências de viagens, e maior segurança para os viajantes, foram explanados por meio de live com representantes do segmento no Amazonas, realizada pela Abav-AM (Associação Brasileira de Agências de Viagens do Amazonas).

O bate-papo entre os agentes de viagens, começou com o presidente da Abav-Am, Roberto Cunhago, comentando sobre o balanço das ações construídas pela associação com todo o setor durante a pandemia, consideradas por ele como um avanço. Uma delas foi as regulamentações da MP 948 que foi editada e dispõe sobre a responsabilidade solidária das agências de viagens em uma venda e ainda em relação à possibilidade de a agência negociar, a retenção de sua comissão com o consumidor.

“Agora em nota técnica da Senacon, foi reconhecido o reembolso proporcional à nossa participação. Com isso, as remarcações e cancelamentos dos serviços dependem da prestadora do serviço turístico. Foi uma decisão inédita, porque perante a Lei, somos responsáveis cem por cento por esse reembolso. Com a decisão ela nos resguardou em relação a esta situação. A ideia da Abav é manter o turismo nacional em evidência e também um turismo seguro com responsabilidade social com empregos e tributos”. 

Segundo o dirigente, a nota técnica estabelece também, que em caso de reembolso ao consumidor, a remuneração da agência de viagens é algo que se justifica de ser preservada em acordo com o consumidor, pois o trabalho do agente, evidenciado nas remarcações e mudanças ocasionadas pela pandemia, foi feito e entregue (tanto na emissão quanto nas alterações posteriores).

Outra conquista mencionada por ele trata-se da MP-927 assegurando as medidas trabalhistas que incluem antecipação de férias e de feriados, concessão de férias coletivas e trabalho remoto válida até dezembro. 

Por sua vez, a presidente da Paradise Turismo e vice-presidente de emissivo da associação, Cláudia Mendonça, destacou sobre a necessidade de união entre os agentes para que o setor se reerga neste momento “A gente quer fazer com que o turismo da nossa região se torne muito mais forte do que ele já é, principalmente, neste momento, em que nós vamos precisar fortalecer ainda mais esse vínculo. Vamos precisar de muito exercício de criatividade”.

Ela enfatizou que todo o setor vai precisar recriar a forma de  trabalhar. Considerando que tudo será um recomeço. “Nós não podemos deixar de ter esperança de que vamos conseguir”.

Mendonça aproveitou para incentivar os que ainda não são associados à Abav, que façam parte.  “A associação está pronta  para dar suporte para os seus associados. Todo mundo vai estar à disposição para que a nossa família cresça. Em Manaus são 716 agências, mas nem todas estão associadas à Abav-AM. “Tudo nós fazemos em conjunto com a Amazonastur e com as outras associações que tem selo”.

Ela salientou sobre a importância de caminhar juntos, cada um com seu produto e com a sua identidade. Mas acima de tudo ter responsabilidade com um padrão de atendimento e,  diversificar os produtos que possam vir a vender. “A gente tem que trazer produtos mais diferenciados para que nós aqui de Manaus possamos vender aos nossos clientes. Cuidar e fazer uma repaginação do nosso turismo porque tudo a partir de agora vai ser diferente vai ser um exercício diário e vamos precisar de coragem para essa nova realidade”, conclui.

Também representando a Abav-AM, Jaime Mendonça, falou sobre as vantagens de quem pretende associar-se à entidade, mencionando que a empresa permite atender todos so tipos de empresas de turismo. “A grande vantagem são os grandes contatos no mercado. Além de estar por dentro de tudo que acontece no setor. E estarem conectados com todas as novidades  vindas direto do Ministério do Turismo.  Estamos sempre trocando ideias com nossos associados e atendendo às necessidades apresentadas por eles. Além da estrutura e articulação que a associação tem para dar essa assistência”. 

Ele frisou ainda sobre os programas e as campanhas criadas durante a pandemia para suportar o setor. Como por exemplo o movimento Adia! pedindo para as pessoas não cancelarem as viagens e sim adiar. Logo em seguida foi lançado o movimento Supera Turismo valorizando os destinos nacionais. 

Citou também, o selo Turismo Responsável, um programa que estabelece boas práticas de higienização para cada segmento do setor. O selo é um incentivo para que os consumidores se sintam seguros ao viajar e frequentar locais que cumpram protocolos específicos para a prevenção da covid-19, posicionando o Brasil como um destino protegido e responsável.

Para ter acesso ao selo, as empresas e guias de turismo precisam estar devidamente inscritos no Cadastur (Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos). Essa é a primeira etapa do Plano de Retomada do Turismo Brasileiro, coordenado pelo Ministério do Turismo, com o objetivo de diminuir os impactos da pandemia e preparar o setor para um retorno gradual às atividades.

Protocolos

Foi destacado pelos integrantes da Abav Jovem a necessidade de segurança para este momento de retorno com os protocolos sanitários e os procedimento adotados para que as viagens sejam seguras. Foi enfatizado as medidas de higiene que devem seguir as normas, como manter higiene das mãos, manter o distanciamento de um a dois metros, estabelecendo uma barreira física como placas de acrílico/ vidros ou escudos fiscais, usar máscaras, preservar os ambientes limpos, evitar contato físico, termômetro para aferição de temperatura, bem como adotar horários alternados para evitar aglomeração. 

Sobre os protocolos sanitários ao escolher o destino de viagem, sempre considerar a curva de vírus na cidade de destino, se necessário, orientar o cliente sobre o melhor momento para fazer a viagem. Na aeronave é necessário o uso de máscaras, álcool em gel e dar preferência para o check-in online.  Em relação aos hotéis e pousadas, escolher provedores que estejam em conformidade com os protocolos de enfrentamento da covid 19, além do contato seguro de viagem, oferecer ao cliente o telefone local de autoridades sanitárias em caso de suspeita de contaminação.

Recebendo os clientes – receptivo. Unidades de transportes como vans, barcos, devem ser higienizados após cada serviço. Os guias e motoristas devem estar de máscaras, com as mãos higienizadas. Antes do cliente sair para um passeio aferir a temperatura. Sempre primando pelo uso de máscaras e do álcool em gel. É necessário ainda que tenha disponível para o cliente, cartazes, flyers e folders em relação às práticas de higienização. É recomendado visitas, apenas, nos pontos turísticos que atendam aos requisitos sanitários, além de ter um plano de emergência, caso cliente apresente algum tipo de sintoma e dentro de um plano de ação, adotar estratégias de como agir e o quê fazer na situação. 

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email