Preço sobe 12% com impostos

Indústria de cosméticos estima alta de 12% para o consumidor

A mudança na tributação do setor de cosméticos vai provocar uma alta média de 12% acima da inflação no preço de produtos como batons, esmaltes, perfumes e cremes de barbear, avalia o setor.
Com esse custo adicional para o consumidor, a venda de cosméticos deve cair até 18% este ano, afirmou o presidente da ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), João Carlos Basílio.
Esse impacto foi estimado pela consultoria LCA, a pedido do setor, que esteve reunido na última semana, com o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, para discutir o decreto que aumenta a carga tributária de alguns cosméticos, publicado hoje.
A partir de 1º de maio, além da cobrança de IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados) sobre a indústria, o tributo vai incidir sobre a rede de distribuição de cosméticos, quando ela for vinculada à fábrica.
Essa é uma das medidas adotadas pelo governo em seu esforço de ampliar suas receitas, como foi o caso da alta de impostos sobre a gasolina. A mudança nos cosméticos vai representar um reforço aos cofres públicos de R$ 381 milhões este ano, pelas contas da Receita.
Para Basílio, o impacto da medida no setor será de R$ 1,5 bilhões por ano. “O consumidor que vai pagar”, disse.
Pelo estudo da LCA, a medida, que estava no radar do governo desde o final do ano passado, deve motivar a demissão de 200 mil funcionários, de um setor que emprega 4,8 milhões –80% mulheres.

Negociação
O setor tenta negociar com o governo um recuo da decisão publicada hoje, e outras reuniões devem acontecer nos próximos dias no Ministério da Fazenda.
A mudança vai afetar produtos de beleza cuja alíquota de IPI é maior que 15% –maquiagens, esmaltes, produtos para alisamento capilar, sais de banho, desodorantes, laquês, cremes de barbear, aromatizadores de ambiente e até incensos para cerimônias religiosas.
A nova regra não vale para xampu, sabonete e condicionador.
O governo alega que o modelo anterior abre brecha para que a empresa pague menos do que deveria.
Com o IPI cobrado apenas sobre a indústria, muitas empresas produtoras vendem mais barato para a empresa atacadista vinculada –que é do mesmo grupo– , diminuindo a base de cálculo do imposto.
Basílio nega a prática e afirma que o modelo do setor é complexo e será mais detalhado ao governo nas próximas reuniões.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email