1 de julho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Preço do GNV dispara e encosta no do álcool

O preço do GNV disparou nas últimas semanas. O movimento em uma oficina que vende e instala o kit gás ainda é grande, mas já foi bem maior. Desde o último reajuste no GNV, de 19%, a procura caiu quase pela metade.

“Há realmente aquela correria do usuário de achar que não é o momento de colocar gás. Mas aí ele vem, começa a abastecer o carro com etanol e com gasolina, ele vê que o preço é muito mais caro, muito mais alto, e ele acaba voltando para o GNV”, diz o representante comercial Márcio Paschoal.

O empresário Alessandro Valentim já estava com a instalação agendada e resolveu manter o plano. Ele roda 800 quilômetros por mês e, como tem o carro registrado no Rio, conta com o desconto no IPVA para motoristas que fazem a conversão para o GNV: paga só 30% do imposto.

Há quatro anos mais ou menos atrás, valia muito a pena você colocar um kit gás. Você tinha realmente uma redução de valores. Hoje, não. Hoje você coloca e você tem dúvidas”, diz.

A alta acumulada nos últimos 12 meses do GNV é de 37%, maior que a da gasolina e do etanol. O reajuste do GNV no período só perde para o diesel.

O levantamento da Agência Nacional do Petróleo mostra que esse último aumento fez o preço médio do metro cúbico do gás (R$ 5,265) encostar no preço médio do litro de álcool (R$ 5,323).

Os motoristas reclamam.

“Há um ano atrás a gente abastecia, enchia o tanque com R$ 40, R$ 45. Hoje para abastecer, encher o tanque de gás, a gente está gastando R$ 73, R$ 75”, reclama o veterinário Rogério Melo.

“Está pesando, sim, no preço. Para quem trabalha na rua, está muito difícil. Ainda vale a pena. Por enquanto ainda vale, agora a gente tem que saber até quando vai valer a pena”, lamenta o motorista Pablo da Silva Menezes.

A explicação é a mesma para a alta dos combustíveis líquidos: o preço do GNV acompanha a cotação internacional do petróleo e sofre também influência do câmbio.

Instalar o kit gás não é barato. Numa loja no Rio, os preços variam de R$ 3 mil a R$ 5 mil, dependendo do modelo do carro. Então, mais do que nunca, é preciso fazer as contas direitinho para saber se vale mesmo à pena investir na conversão.

No ano passado, o kit gás foi instalado em quase 1 milhão de carros. Os fabricantes dos equipamentos dizem que 1 metro cúbico de gás pode render o dobro de 1 litro de álcool. Mas essa relação pode ser bem menor dependendo do motor do carro, do uso do ar-condicionado e do pé do motorista no acelerador.

O professor de economia da Universidade Federal Fluminense Luciano Losekann alerta que o GNV mais caro deixa uma margem menor para o motorista que pensa em instalar o kit gás.

“O motorista que roda mais, sim, se paga e é interessante. O motorista de aplicativo, o motorista de táxi vão ter vantagem, principalmente naqueles estados que têm maior oferta de GNV, como é o caso do Rio de Janeiro. Os motoristas que rodam pouco não têm interesse de colocar o kit”, explica.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email