Preço do café alcança melhor nível

As cotações do café tiveram substancial alta em junho. O indicador de preço da OIC (Organização Internacional do Café) saiu de 128,10 cents por libra-peso em maio para 142,20 cents em junho, alcançando a melhor média mensal desde junho de 1997. A volatilidade das cotações também aumentou consideravelmente no período, informa o diretor executivo da OIC, Nestor Osorio, em relatório mensal divulgado hoje. O mercado esteve nervoso ao longo do mês, acrescenta Osorio. Movimentos especulativos por parte de fundos de investimento acentuaram a volatilidade de preço, que pode ser explicada principalmente pela redução na oferta dos arábicas suaves.
Osorio nota que os aumentos de preços foram muito mais acentuados no caso dos suaves colombianos, com uma ampliação no diferencial entre os preços deste grupo e os outros três grupos de café (naturais, outros suaves e robusta). Ele pondera, no entanto, que há indícios de que os níveis de produção estão aumentando gradualmente na Colômbia e em vários outros países produtores. Recentes estimativas privadas da produção brasileira para o ano-safra 2010/11 preveem safra de cerca de 50 milhões de sacas de 60 kg. Projeção oficial da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) sugere 47 milhões de sacas.
De acordo com Osorio, a colheita da safra 2010/11 já começou em alguns países, como Brasil, Indonésia e Peru. Ele estima que a produção global deve alcançar entre 133 milhões e 135 milhões de sacas. A produção colombiana deve se recuperar, depois de dois anos consecutivos de frustração de safra. A Colômbia deve produzir entre 10 milhões e 11 milhões de sacas.
A produção do Vietnã, segunda maior do mundo, atrás do Brasil, deve ficar entre 16 milhões e 18 milhões de sacas. A Indonésia deve colher entre 10 milhões e 11 milhões de sacas. Índia e Etiópia devem produzir cerca de 5 milhões de sacas cada.
No caso da safra 2009/10, que está praticamente encerrada, a produção total continua inalterada em 120,6 milhões de sacas, conforme indicado no relatório anterior. Isso representa uma queda de 5,8% em relação à produção no ano-safra 2008/09. A participação do robustas aumentou de 38,6% em 2008/09 para 41,2% em 2009/10, enquanto a participação do arábica caiu para 58,8% ante 61,4% no período anterior.
Conforme Osorio, o consumo mundial continua a sustentar os preços. O volume aumentou de 130 milhões de sacas em 2008 para 132 milhões de sacas em 2009. Embora o consumo tenha sido impactado pela crise econômica em uma série de tradicionais países consumidores, o desempenho continua a ser ‘flutuante’ em outro número de países, conclui Osorio.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email