Precisamos ser mais – Parte 1

Vivemos numa cidade de gente boa, alegre, otimista… Talvez, por isso mesmo, proliferam entre nós pessoas de má-fé, que vão se aproveitando dos sentimentos de solidariedade de nossa gente, do povo amazonense.

O manauara é sabidamente um povo acolhedor. No entanto, nos últimos anos, esse espírito parece está dando lugar à indiferença. É extremamente preocupante observar como tratamos os estrangeiros, os refugiados, os haitianos, os venezuelanos, os paraenses, os de fora, que aqui vivem.

É comum assistir, aqui em Manaus, principalmente depois da pandemia de Covid-19, pessoas ignorando os refugiados, especialmente os venezuelanos, que estão em quase todas as esquinas, pedindo esmola ou uma oportunidade de trabalho.

Naturalmente, eles não estão aqui porque querem, por opção. Por muitas razões, principalmente política e econômica, eles estão lutando para sobreviver, e querem apenas uma oportunidade para recomeçar. Muitos deles já perderam até à dignidade.

São pessoas que estão distantes de seu país de origem, de seus parentes, amigos, de sua cultura. Vivem numa nação diferente, não falam a mesma língua que a nossa, um povo que possui outra tradição, costumes, modos de ser.  Antes de qualquer julgamento, é preciso entender tudo isso.

Você já se colocou no lugar dessas pessoas? Já se imaginou vivendo refugiado em outro país? Por que isso está acontecendo? De quem é a culpa? Será que é apenas dos governantes? Qual o tamanho da responsabilidade dos políticos? E do cidadão comum? Em que você pode ajudar? Você já se fez essas perguntas?

O primeiro e o maior de todos os cristãos, Jesus Cristo, já dizia: “Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver”. (Mt.25:35-35)

E recomenda: “Quando deres um banquete, convida os pobres, os aleijados os mancos e os cegos, e serás bem aventurado, porque eles não têm com o que te retribuir, pois retribuído te será na ressureição dos justos”. (Lc.14: 13-14)

No entanto, Ele alerta: “Quando, pois, deres esmola, não toques trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa. Tu, porém, ao dares a esmola, ignore a tua mão esquerda o que faz a tua mão direita.” (Mt. 6, 2-3)

Independentemente de sua crença religiosa, o que você pode fazer por essas pessoas? Será que estamos em comunhão com os mais necessitados? Ou será que estamos apenas do lado de quem pode nos retribuir de alguma forma? E as igrejas, o que estão fazendo por essas pessoas? Será que elas estão seguindo os ensinamentos de Jesus Cristo?

Em tudo, em todo tempo e lugar, nunca devemos nos esquecer que o dinheiro, a posição social, a nacionalidade, a língua, a cor da pele, o sexo, não é tudo na vida. A Bíblia diz em Provérbios 13:7-8, que “Há quem se faça rico, não tendo coisa alguma; e quem se faça pobre, tendo grande riqueza”.

São por esses e por outros motivos que precisamos ser mais… Precisamos ser mais no amor ao próximo, no acolhimento ao outro… Precisamos ser mais na solidariedade, no respeito… Enfim, precisamos ser mais tolerantes com as opiniões adversas, com a religião do outro… Ou você acha que não precisa ser mais?

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email