PQA otimiza processos e rende ­prêmios a indústrias da Zona Franca

O Prêmio Qualidade Amazonas 2007 rendeu destaque a empresas como a Moto Honda da Amazônia, LG, Yamaha, Panasonic, Masa da Amazônia e Reman, por conta de melhores resultados obtidos com o PQA (Programa Qualidade Amazonas). As organizações mostraram seus projetos na “8ª Mostra de Gestão e Melhorias para a Qualidade”, ocorrida nos dias 26 e 27 deste mês, no auditório da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus).

Segundo a coordenadora do PQA, Herlen Montefosco, o programa propõe uma série de soluções para desenvolvimento administrativo de instituições bem como aprimoramentos dos processos básicos de produção por meio do Prêmio Qualidade Amazonas 2007, dividido entre as modalidades gestão e processo. “O programa de gestão e processo tem como objetivo auxiliar as instituições a sobreviverem e destacarem-se pela excelência no contexto econômico neoliberalista, e também tem o intuito de oferecer suporte nos aspectos de qualidade, produtividade e competitividade no mercado”, afirmou a coordenadora.
Neste ano, o programa envolveu 41 instituições inscritas e 29 classificadas para a disputa do Prêmio Qualidade Amazonas 2007, frente às 35 inscritas e 28 classificadas na edição anterior. Envolveram-se no PQA 2007, outras empresas de pequeno, médio e grande porte, como Nokia, Springer, Mineração Taboca, Colortech, a empresa de pesquisa de mercado e opinião, Action Marketing entre outras.

Na modalidade processo, o gerenciador de desenvolvimentos de modelagem final da Nokia, Wayne Araújo, mostrou no evento, que com a adoção do PQA, o controle de processos na empresa, passou a representar melhores resultados, e de acordo com ele, havia uma meta de atingir 100% de eficácia na detecção e correção de erros, mas já nas primeiras três semanas de implantação do programa, houve uma redução total de 70% destas falhas e redução de 5% nas paradas de linha, o que no total representou ganhos de R$ 1,32 mi­lhão por ano.

Solução de problemas

Segundo o assessor de qualidade da Reman (Refinaria Isaac Sabbá), Francisco de Assis Pinto Marques, após da implantação do programa na empresa, 70% dos processos (captação, tratamento, embalagem e distribuição de petróleo) foram padronizados; enquanto a produção de petróleo aumentou 21%, gerando receita de US$ 700 mil por ano.

Já os representantes da Moto Honda da Amazônia expuseram algumas problemáticas ocorridas nos processos de montagem as quais exigiram programas de reconhecimento, estratégia, ação e implementação de soluções práticas dos problemas, com base no PQA. Como resultado, houve um incremento superior de R$ 40 mil por mês no faturamento da empresa.

De acordo com o supervisor de inovações, da LG Eletronics, Aldenir Sales da Rocha, os atrasos nos processos de produção de TVs de LCD e plasma, ocasionavam baixo desempenho produtivo impactando nos lucros da empresa. Apostando no crescimento da comercialização desses aparelhos a linha de montagem foi reorganizada e padronizada nos pontos onde apresentava os conflitos, conforme orientações do PQA. Com isso, houve o acréscimo de 46,5% na produção de TVs de plasma e LCD e ganhos de R$ 13 milhões nos primeiros quatro meses de aplicação do programa.

Já a Panasonic, devido à baixa eficiência na produção de fornos microondas, reestruturou toda sua linha de montagem, passando a utilizar células de produção em substituição às extensas linhas de montagem. Com o novo método de montagem do eletrodoméstico, a empresa passou lucrar R$ 150 mil a mais, por mês, depois da implantação do novo sistema.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email