Postos de combustíveis começam o ano com vendas em baixa

A revenda nos postos de combustíveis do Amazonas começou 2011 em baixa, conforme o Sindcam (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Lubrificantes, Álcool e Gás Natural do Amazonas), que prefere não revelar números

A revenda nos postos de combustíveis do Amazonas começou 2011 em baixa, conforme o Sindcam (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Lubrificantes, Álcool e Gás Natural do Amazonas), que prefere não revelar números.
Vários fatores contribuem para que os primeiros meses do ano não sejam favoráveis às vendas nos postos de combustíveis de Manaus, segundo avaliação do presidente da entidade, Luiz Felipe de Moura Pinto. “O primeiro trimestre do ano sempre é muito ruim em razão das férias, das chuvas e das pessoas terem aplicado salário e 13° nas festas de fim de ano”, destacou.
De acordo com Moura Pinto, o Sindcam congrega 250 postos da capital, um número alto para uma cidade com mínimo acesso rodoviário ao resto do país, situação que também acirra a concorrência. “Nós temos mais postos em Manaus do que em algumas capitais ligadas por rodovias, como Belém. Não somos responsáveis pela formação dos preços e não podemos oferecer ofertas ao consumidor”, frisou.
A expectativa é de que o consumo de derivados retome sua normalidade, embora as empresas se preparem para uma nova queda de frequência do consumidor nas bombas da região. “Outro período parecido é o de junho. Com a chegada das férias de meio de ano, as vendas caem um pouco”, explicou o presidente do Sindcam.
Apesar da queda no consumo sentida pelos revendedores no início de ano, os preços de combustíveis neste primeiro trimestre seguem a evolução positiva divulgada pela ANP (Agência Nacional de Petróleo) no relatório de mercado, que indicou um crescimento de 8,4% em 2010 ante 2009.
Para a receita das vendas, o crescimento em 2010 foi um pouco melhor, alcançando 13,5% no acumulado do ano de 2010 em relação a igual período de 2009. Em todo o Brasil o crescimento foi de 16% no faturamento de dezembro. No país, a venda movimenta quase R$ 70 bilhões anuais.

Variação de preços

Para o consumidor, as escolhas de preço, dependendo do tipo de combustível, sofrem variações mínimas de um posto revendedor para outro em Manaus. A pesquisa de preços divulgada pela ANP referente ao período de 20 a 26 de fevereiro traz o levantamento de preços e margem de comercialização de combustíveis em 73 postos de combustiveis.
Em se tratando do consumo de gasolina, o valor médio fica em R$ 2,70, com o menor preço (R$ 2,66) sendo praticado em postos dos bairros de Adrianópolis (zona Centro-Sul) e Japiim (zona Sul). O valor mais alto da gasolina (R$ 2,76) é encontrado no bairro do Coroado (zona Leste).
Para quem utiliza diesel no seu carro, o valor mínimo (R$ 1,89) é encontrado nos postos do Japiim e mais caro (R$ 2,25) no bairro Adrianópolis. O diesel está com uma variação média de R$ 2,12.
Já o etanol apresenta média de R$ 2,15, com valor mínimo (R$ 2,05) praticado no bairro da Raiz (zona Sul) e máximo de R$ 2,29, em postos localizados no bairro do Japiim.

Fiscalização da ANP nos postos visa qualidade e quantidade

O forte da Agência Nacional do Petróleo é a fiscalização da qualidade e quantidade de produtos que os revendedores oferecem para consumo. Em 2010, a equipe da ANP no Amazonas, fiscalizou um total de 191 postos de combustíveis, com 279 coletas realizadas e 52 autos de infração.
“O que nossa equipe percebeu é que a qualidade não tem problema nenhum, é um item que melhorou muito e raramente se pega esse tipo de infração. O mais comum são truques para adulteração na quantidade, como a bomba baixa e a falta de placa de origem do combustível”, explicou o funcionário da ANP no Amazonas, Vladimir Costa.
Segundo ele, todo consumidor deve ficar atento e cobrar qualidade dos postos. “Recomendamos sempre a exigência do cupom fiscal. Todos podem solicitar o teste de aferição de bomba e o frentista tem de estar preparado para isso. O posto de combustível é obrigado a ter o kit de teste e caso se recuse pode ser denunciado pelo 08009700267”, esclareceu.
O raio de ação do escritório da ANP no Amazonas abrange toda a região Norte, exceto Tocantins. “A ação da ANP vem inibindo, principalmente, a cartelização de preços e adulteração da qualidade, graças ao monitoramento e acompanhamento das ações”.

Nova operação

A equipe da ANP observou um aumento das não-conformidades (fora de especificação) no produto óleo diesel no Amazonas e deve atuar com data ainda a ser definida. “Estamos preparando uma operação a ser realizada na região metropolitana de Manaus, assim como em municípios do interior que contribuiram para esse aumento”, explicou Vladimir Costa.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email