Política de inclusão social beneficia mais de dois milhões de pessoas no país

A economia solidária tem se consolidado como uma importante alternativa para inclusão de trabalhadores no mercado de trabalho. O último mapeamento do setor, realizado pelo Ministério do Trabalho e Emprego no ano passado, revela um crescimento significativo dessa modalidade econômica. Alcançando um total de 2.274 municípios brasileiros, o estudo aponta a existência de 23 mil empreendimentos com características solidária no Brasil, envolvendo mais de 2 milhões de pessoas.

A política de fortalecimento da economia solidária teve início em 2003, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva criou a Senaes (Secretaria Nacional de Economia Solidária), responsável pela elaboração de políticas para estimular o setor. A prioridade da Senaes tem sido a consolidação da economia solidária como alternativa de geração de emprego e renda. Para tanto, o MTE vem investindo recursos no programa Economia Solidária em Desenvolvimento que se constitui de várias iniciativas de apoio aos empreendimentos, por meio de diversas parcerias com prefeituras e entidades da sociedade civil.

“O empenho do governo federal no fortalecimento da Economia Solidária mostra que o Brasil está sintonizado com o mundo. A economia solidária significa políticas públicas para ajudar os mais humildes, estimulando desta forma o comércio justo”, argumentou o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi.

Características apontadas

São características dos empreendimentos solidários, entre outros, a união de esforços, a autogestão do negócio e a divisão de lucros. Para incentivar esses princípios, a Senaes treina, desde 2006, cerca de 510 agentes solidários, que são pessoas residentes em mais de 400 comunidades carentes do país com a finalidade de oferecer apoio e assessoria aos empreendimentos já existentes ou para a implantação de novas iniciativas.

Hoje esse projeto beneficia diretamente mais de 35 mil trabalhadores e indiretamente esse número chega a 212 mil pessoas, inclusive para os participantes do Bolsa-Família.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email