15 de abril de 2021

Pirataria contra navios aumentou 20% em 2020

O número de atos de pirataria contra navios aumentou 20% no ano passado, devido ao número recorde de sequestros em águas da África Ocidental, informou a OMI (Organização Marítima Internacional) em relatório publicado nesta quarta-feira (13).

No total, foram registrados 195 atos de pirataria e assaltos à mão armada, ante 162 registrados em 2019, indicou a OMI, órgão da ONU especializado em segurança e proteção à navegação, com sede em Kuala Lumpur.

Dos 135 marinheiros sequestrados no mundo, 130 foram sequestrados no Golfo da Guiné, em águas da África Ocidental, o que é um recorde nesta área.

Esta zona, que inclui o Golfo da Guiné e que vai da costa do Senegal à de Angola, passando pela Nigéria, tornou-se nos últimos anos o novo epicentro da pirataria mundial.

O aumento de sequestros mostra “o crescimento da capacidade dos piratas no Golfo da Guiné, com mais ataques e mais longe da costa”, disse o diretor da OMI, Michael Howlett, citado no relatório anual.

Os piratas passaram de ataques a petroleiros a sequestros de marinheiros em troca de resgates, disse Noel Choong, chefe do centro de monitoramento de pirataria da OMI.

O Golfo da Guiné tornou-se mais perigoso do que o Golfo de Aden, nas águas da Somália, local que durante muito tempo concentrou a maioria dos atos de pirataria.

Os países da África Ocidental, com a ajuda da França e dos Estados Unidos, vêm tentando há vários anos melhorar seus meios de intervenção e colaboração na área.

A pirataria nesta zona, onde estão dois dos maiores produtores de petróleo da África, Nigéria e Angola, tem alterado significativamente as rotas marítimas internacionais.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email