18 de abril de 2021

PIM vai fechar 2009 no vermelho, apesar da retomada

Aquecimento dos últimos meses não foi suficiente para reverter os efeitos da crise na produção e emprego do polo. Suframa, contudo, aposta em alta de 10% em 2010

O primeiro ano após a crise financeira internacional, iniciada em setembro de 2008, foi marcado pela queda de produção e demissões em massa, mas também viu a votal do aquecimento do setor produtivo brasileiro e a consequente reversão das especulações pessimistas que alguns especialistas projetavam para o final do ano. No Amazonas não foi diferente, como mostram os números negativos da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus) e avaliações um pouco melhores da ACA (Associação Comercial do Amazonas).
As fábricas do PIM (Polo Industrial de Manaus) apresentaram retração de 26,97% no faturamento, de janeiro a outubro deste ano, comparado a 2008, de acordo com as estatísticas mais recentes da Suframa. Foram US$ 17.5 bilhões (2009) contra US$ 23.9 bilhões (2008).
Ao final de 2008, logo após o começo da crise, a autarquia contabilizou US$ 30,1 bilhões de faturamento quando fechou os cálculos em dezembro. A titular da autarquia, Flávia Grosso, disse acreditar que o valor deste ano será um pouco superior a US$ 26 bilhões, ou seja, mesmo na melhor das hipóteses o PIM não apresentará crescimento neste aspecto.
Os postos de trabalho abertos até outubro de 2009 (97 mil) foram 15,72% inferiores ao registrado na mesma época de 2008, quando havia 115,1 mil pessoas empregadas no parque industrial manauense.
Os itens aquisição de insumos e exportações também puxaram para baixo os índices da Suframa. Enquanto US$ 1 bilhão em produtos foram exportados nos primeiros dez meses de 2008, apenas US$ 672.8 milhões totalizaram os resultados de vendas do polo para outros países neste ano, considerando os dados até outubro, uma queda de 34,14%.
A diminuição no volume de insumos foi quase igual ao percentual anotado nas exportações. A compra de insumos do primeiro ao décimo mês deste ano (US$ 9.4 bilhões) foi 34,28% inferior ao montante gasto pelas empresas em 2008 (US$ 14.3 bilhões).
Três países foram responsáveis por 60% das exportações. O ranking é liderado pela Argentina com 38,27% de participação e US$ 263,5 milhões em vendas externas. A segunda posição foi da Venezuela (11,86%), com US$ 81.6 milhões, seguida pela Colômbia com US$ 68,9 milhões exportados e 10,01% de contribuição à balança comercial.

Crise impulsiona ganhos de eficiência da indústria amazonense, avalia Cieam

Na avaliação do presidente do Cieam (Centro da Indústria do Estado do Amazonas), Maurício Loureiro, o ano de 2009 deixará uma eficiente lição. “Coube à indústria aumentar sua eficiência interna de produção. Houve casos no PIM de ganhos de eficiência produtiva per capta de mais de 40%. Ou seja, fizemos mais com menos”, destacou o dirigente industrial. Para Loureiro, produzir mais com menos recursos é ser competitivo e serve como lição, não somente para a indústria como também para os demais segmentos da sociedade.
O Cieam computa o polo eletroeletrônico como responsável por 31% dos negócios gerados neste ano (até outubro) e como aspecto positivo da indústria amazonense neste final de ano. O polo é composto por grandes multinacionais, como LG, Nokia e Samsung. Considerando os dados da Suframa, estas são as principais impulsionadoras do faturamento de US$ 8,9 bilhões neste ano, com valores até o décimo mês; empregando 38,8 mil profissionais.
Apesar dos números pouco animadores Flávia Grosso aposta em recuperação. “Nos últimos cinco meses deste ano, podemos ver uma sutil elevação dos indicadores e ter a certeza que em 2010 poderemos superar o resultado de 2008. A perspectiva do PIB [Produto Interno Bruto] da Zona Franca de Manaus é crescer 10% em 2010, por exemplo”, argumentou.
Uma das empresas de destaque deste ano, na avaliação da superintendente, é a montadora de veículos BMW (Fábrica de Motores da Baviera, na sigla em alemão), recém-chegada a Manaus e única planta fabril da marca localizada fora da Alemanha. Trata-se de mais uma concorrente para a Moto Honda -multinacional japonesa que lidera o segmento de motocicletas no Brasil, respondendo por 81,6% (1,1 milhão de motocicletas) das unidades produzidas no país, conforme informa a Abraciclo (Associação Brasileira de dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares).

Empreendimentos comerciais

“A crise financeira não afetou o comércio de Manaus com intensidade porque o setor já vinha tomando algumas providências de crescimento, como promoções e elasticidade no prazo de pagamento”, relatou o presidente da ACA, Gaitano Antonaccio.
A chegada de novos empreendimentos comerciais na cidade, como o Manauara Shopping, além do fortalecimento do comércio nos bairros, garantiu a superação do cenário pouco animador para o comércio amazonense na primeira metade deste ano, conforme explicação do representante do comércio no Estado. Segundo a assessoria de imprensa do Manauara Shopping, o centro de compras possui 227 pontos comerciais entre lojas e quiosques e funciona há nove meses.
O presidente da associação destacou a atuação dos bancos estatais como Basa (Banco da Amazônia S/A), CEF (Caixa Econômica Federal) e BB (Banco do Brasil), que aumentaram o prazo de pagamento dos financiamentos e elevaram a oferta de crédito para microempresários. “O ano de 2009 –a despeito da crise– foi melhor para o comércio que 2008. O consumidor aprendeu a calcular a diferença entre compras à prazo e à vista, quando as lojas aumentaram as exigências para fechar uma venda”, concluiu Antonaccio, ao falar sobre os juros praticados no comércio varejista do Amazonas.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email