Pesquisas permitem preservar peixe-boi da região amazônica

Em toda a bacia amazônica há um tipo de mamífero que, apesar do porte avantajado, é difícil visualizá-lo devido ao seu comportamento um tanto discreto e à turbidez das águas dos rios da Amazônia. Mas nas últimas três décadas, pesquisadores da região realizaram uma série de estudos que possibilitaram conhecer melhor e assegurar a preservação dessa espécie que está ameaçada de extinção: a Trichechus inunguis, mais conhecida como peixe-boi da Amazônia.
“Temos um mosaico de informações sobre essa espécie que é a única das três existentes no mundo que vive em água doce. São vários trabalhos que formam um retrato que nos permite entendê-la melhor no ecossistema e estudar medidas de conservação”, disse a pesquisadora do Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia), Vera Maria Ferreira da Silva.
Ela abordará esse assunto em uma conferência durante a 61ª Reunião Anual da SBPC – evento que a SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) promoverá de 12 a 17 de julho em Manaus.
De acordo com Silva, o peixe-boi da Amazônia exerce um papel fundamental na cadeia alimentar e no ecossistema aquático amazônico.
Ao se alimentar nas grandes ilhas de capim flutuante existentes nos rios da Amazônia, o maior herbívoro aquático controla o crescimento dessas plantas e, com suas fezes e urina, fertiliza as águas, contribuindo para a manutenção do ambiente.
“Ele transforma essas macrófitas em partículas menores, por meio de suas fezes, que servem de alimento para outras espécies de animais também presentes nos rios da Amazônia”, contou a pesquisadora.
O peixe-boi teve muita importância no período de colonização do Brasil, em que foi a base de alimentação, primeiramente dos indígenas e, depois, dos colonizadores europeus. Além de ser consumida em diversas regiões do país, a carne do animal era exportada para a Europa, preservada em sua própria gordura, que também era utilizada para iluminação.

População da espécie tem reduzido nos últimos anos

“Milhares de peixes-bois da Amazônia foram mortos com essas finalidades. O padre José de Anchieta já falava em seus relatos da época sobre a matança do animal e há diversos registros sobre a retirada deles da Amazônia”, afirmou a pesquisadora, que diz que em um desses documentos históricos consta que em um período de 30 anos, 200 mil couros de peixe-boi foram exportados para fora da região amazônica.
E que as fêmeas, juntamente com seus filhotes, eram mais vulneráreis à captura e mais visadas pelos pescadores por terem mais gordura acumulada do que os machos. Os pesquisadores não possuem estimativas do tamanho da população de peixes-bois da Amazônia, devido à dificuldade de se observar o animal em seu ambiente natural.
O que se sabe, é que a população da espécie foi drasticamente reduzida nos últimos anos, mas acredita-se que esteja em recuperação atualmente em função da proteção legal do animal.
Programas de reintrodução de filhotes mantidos em cativeiro, como o coordenado pelo LMA (Laboratório de Mamíferos Aquáticos), do Inpa, também estão dando sua contribuição para a conservação da espécie.
Fundado em 1974, o “Projeto Peixe-boi”, do LMA, desenvolveu os primeiros estudos sobre a biologia e conservação do peixe-boi da Amazônia, em que obteve importantes resultados sobre o metabolismo e a fisiologia da espécie.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email