Peças se movem no tabuleiro eleitoral

Após polêmica envolvendo o secretário municipal de infraestrutura e vice-prefeito, Hissa Abrahão (PPS), sobre uma possível saída para a disputa ao governo do Estado em 2014, o prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), anunciou na tarde de ontem (12) uma verdadeira dança das cadeiras em seu secretariado.
Segundo nota enviada à imprensa, três secretários deixarão seus cargos na próxima segunda-feira (16) para a disputa do pleito, conforme solicitação do prefeito Arthur Virgílio Neto, feita há dois meses. Pauderney Avelino, Donmarques Mendonça e Hissa Abrahão deixam, respectivamente, as secretarias de Educação, Particular e de Infraestrutura. De acordo com o prefeito, o pedido foi feito para que os secretários se dediquem exclusivamente à administração municipal.
“Eu pedi aos secretários que pretendem disputar as eleições que entregassem seus cargos até segunda-feira (16), porque precisamos da equipe totalmente focada nas obras essenciais à cidade”, afirmou o prefeito.
Com a confirmação desses nomes, o prefeito também já definiu as substituições. Para o lugar de Pauderney Avelino assume a Semed, em definitivo, o atual secretário de Governo, Humberto Michiles. Para o cargo de secretário particular assume, interinamente, o major Marcos Encarnação, que já é subchefe da Casa Militar e acumula os dois cargos, e para o cargo de secretário de Infraestrutura assume, interinamente, o atual subsecretário Orlando Holanda.
O cargo de secretário de Governo, deixado por Michiles, passa a ser exercido, em definitivo, pelo atual secretário de Comunicação, Márcio Noronha. Já na Semcom, assume, interinamente, a atual subsecretária Mônica Santaella.
Pauderney Avelino volta à Câmara dos Deputados para disputar a reeleição em 2014. Donmarques deverá disputar uma vaga para a Assembleia Legislativa e Hissa Abrahão confirma sua intenção de disputar o governo do Estado, em 2014.
Caso a candidatura de Hissa Abrahão ao governo, que também é vice-prefeito, se confirme, poderá pedir licença do cargo para não correr o risco de se tornar inelegível, uma vez que a lei complementar 64/1994, estabelece que “vice-presidente, vice-governador e vice-prefeito poderão candidatar-se a outros cargos, preservando seus mandatos respectivos, desde que nos últimos seis meses anteriores ao pleito, não tenham sucedido ou substituído o titular”.

Polêmica

O desgaste na relação entre o prefeito e o vice-prefeito de Manaus teve início após declarações do nacional do PPS, deputado Roberto Freire durante o encontro nacional do partido que aconteceu no último sábado (07), que decidiu lançar Hissa Abrahão como pré-candidato ao governo do Estado nas eleições de 2014.
Hissa já declarou publicamente o desejo de se lançar como candidato ao governo do Estado no ano que vem.
Em entrevista a Rádio Difusora na manhã de ontem, Arthur Neto deixou claro que respeita a decisão de seu vice, mas que não a apóia política e pessoalmente.
“O Hissa tinha uma escola, ele tem que aprender muito. Ele quer ser candidato, então que seja, mas não terá o apoio do PSDB e nem o meu apoio pessoal”, enfatizou o prefeito durante entrevista ao vivo.
Ainda durante o encontro do PPS, Roberto Freire descartou a aliança nacional com o PSDB de Arthur Neto, que tem como pré-candidato à Presidência da República em 2014 o senador Aécio Neves.
O Jornal do Commercio tentou contato com o vice-prefeito Hissa Abrahão durante toda a tarde de ontem, mas as ligações não foram atendidas.

Cenário se desenha

Enquanto ainda não há uma definição clara quanto ao seu futuro político, Hissa Abrahão torna-se um dos apoios mais cobiçados entre as principais forças políticas do Estado, já que figura na segunda colocação nas pesquisas. Nos bastidores, corre a informação de que o vice-prefeito de Manaus estaria articulando a composição de um chapa ao lado do senador –e primeiro colocado nas pesquisas –Eduardo Braga (PMDB). A assessoria do senador, no entanto, não confirmou a informação.
Já o vice-governador do Estado, José Melo (PROS), considera Hissa Abrahão como um potencial candidato a compor a chapa do partido em 2014.
Durante sessão de entrega da Medalha Ruy Araújo, realizada na última quarta-feira (11) no plenário da Aleam (Assembleia Legislativa do Estado), Melo reafirmou que disputará o cargo majoritário, não aceitando “em hipótese alguma” a condição de vice. Ele admite que vem se aproximando de possíveis aliados, incluindo o ex-governador e ex-prefeito Amazonino Mendes e o atual prefeito Arthur Neto.
A secretária de Estado de Governo Rebecca Garcia (PP), o deputado estadual Marco Antônio Chico Preto (PSD) – ambos candidatos já declarados – e o próprio Eduardo Braga também não abrem mão da disputa majoritária ao governo do Amazonas.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email