Pazuello diz que Manaus será vacinada em primeiro lugar no país

Ministro da saúde, Eduardo Pazuello, em coletiva sobre ações de enfrentamento ao coronavírus do Governo Federal no Amazonas

O Ministro da saúde, Eduardo Pazuello, em coletiva na sede do Governo do Estado na manhã desta quarta-feira, esclareceu que Manaus é a prioridade  nacional neste momento.

“Manaus é a prioridade nacional neste momento, vocês estão ouvindo do ministro da saúde, neste momento é a prioridade nacional, não poderia deixar de ser”, afirmou o ministro. 

Pazuello enfatiza Manaus como prioridade

Vacinação em janeiro

“Vamos vacinar eu janeiro, e Manaus também será a primeira a ser vacinada. Eu fui claro? e ninguém receberá a vacina antes de Manaus”, afirmou o ministro indicando que a vacinação começa ainda em janeiro em todos os Estados, e garantiu que apesar da campanha de vacina contra COVID-19 ser simultânea em todos os estados, Manaus terá prioridade.

Manaus terá prioridade na vacina

Ainda sobre o combate à pandemia no Estado salientou que o tratamento precoce da COVID-19 é a forma mais eficaz, “E eu ressalto que não tem como resolver esta situação se nós não transformarmos o atendimento precoce em prioridade”, disse. 

Ministro reforça atendimento precoce

O ministro destacou que a prefeitura tem agilizado a abertura de todas as UBS para o atendimento aos pacientes da COVID-19, inclusive com a reabertura do hospital Nilton Lins com mais 80 leitos até quinta-feira. 

Durante a noite de terça-feira o ministério da saúde, da educação e as forças armadas reestruturam o Hospital universitário Getúlio Vargas, aumentando a capacidade de atendimento, “Nós chegaremos ao HGU a 180 leitos, nós distribuímos andares inteiros, transportamos equipamentos e estruturas nos andares, reorganizamos o hospital”. Eduardo Pazuello, confirmou o reforço de alocação de enfermarias no modo campanhas para o 28 de agosto e Hospital Delphina Aziz. 

Pazuello fala sobre ampliação de leitos no HUGV

Na questão de reforço de pessoal e assistência, o estado do Amazonas recebe hoje o auxílio de profissionais do Hospital Sirio Libanes de São Paulo, que conforme o Eduardo Pazuello, vão ajudar a dar alta a pacientes que já se encontram com possibilidade de fazer o tratamento domiciliar.

O estado do Amazonas finalizou a contratação nesta quarta-feira a contratação de 180 profissionais de saúde para atuarem dentro da rede hospitalar da capital, com o apoio do ministério da saúde.

“O Ministério vai contratar, pagar, capacitar, transportar e apoiar logisticamente em Manaus para disponibilizar recursos humanos, enfatizou o ministro.

Ministro fala sobre acréscimo de pessoal

Equipamentos

Manaus receberá prioridade em equipamentos e insumos para o combate à COVID–19. O material adquirido pelo governo vem através do aeroporto de Guarulho e assim que comprado o ministério da saúde garante a entrega na capital Amazonense em 2 dias, “Eu coloco em Manaus em dois dias, você compra, recebe em Guarulhos e eu transporto pra cá imediatamente, isso está disponibilizado pro estado desde abril”. 

Logística diferenciada também foi lembrada

No entanto, a alta demanda por oxigênio no estado, que hoje é de 70 mil metros cúbicos, tem causado um impacto na produtora White Martins, onde a produção é de aproximadamente 28 mil metros cúbicos por dia. A solução para minimizar a falta de oxigênio no Amazonas, vem através de via aérea com aviões das forças armadas, mas que transportam apenas 6 mil metros cúbicos por voo.

Dessa forma, o ministério da saúde optou por construir dez usinas geradoras, “Estamos comprando dez usinas geradoras,com requisição do estado, o ministério está assumindo a frente para poder ter velocidade, comprar, transportar e instalar em quatro dias, essas dez usinas vão resolver o problema dos hospitais, as dez usinas geram 5 mil metros cúbicos”, enfatizou.

Manaus terá usinas para gerar oxigênio

Contudo, o ministro destacou os cuidados para o pós vacina, “A vacina induz a produção de anticorpos, essa é a função da vacina, essa produção de anticorpos não é no dia seguinte, a literatura fala de 30 a 60 dias, não é tomar a vacina no dia 20 e no dia 22 está na rua fazendo festa”, chamou a atenção Eduardo Pazuello. 

Manaus será prioridade na vacinação

A vacina a ser utilizada será a AstraZeneca da Fiocruz e Sinovac do Butantan, “nós temos duas vacinas pra janeiro muito promissoras, a vacina da Fiocruz com a AstraZeneca e a vacina do Butantan com Sinovac, são 8 milhões de doses, quando a Anvisa concluir a sua análise de segurança e eficácia, três, quatro dias depois nós estamos distribuindo a vacina no Brasil”, finalizou.

Dois tipos de vacinas serão utilizados

Entretanto, Pazuello lembrou que a vacina é parte da estratégia, e que a principal arma neste momento é também o diagnóstico clínico e tratamento precoce. 

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email