15 de abril de 2021

Páscoa pode trazer alta de vagas temporárias em Manaus

A geração de vagas formais por meio do Trabalho Temporário, deve crescer 25% no 1º trimestre de 2021 em comparação ao mesmo período do ano passado, segundo projeção da Asserttem (Associação Brasileira do Trabalho Temporário).

Janeiro de 2021, já surpreendeu, com aumento de 37% de vagas temporárias em comparação ao mesmo mês do ano passado, sendo geradas 178.000 contratações. 

Um dado relevante, desse total, 9% foram destinados a atender às indústrias de chocolate, que antecederam a produção, pois acreditam que o período de contratação dos trabalhadores será maior que a média dos últimos anos, de forma a atender a demanda.

“O Norte não possui grandes fábricas de chocolates, por isso, as agências de trabalho temporário reforçam seus bancos de talentos, principalmente com funções como estoquistas, caixas e promotores de vendas para atuarem no comércio”, explica a diretora regional Norte da Asserttem, Cilene Campelo.

A diretora afirma que as datas sazonais  sempre serão um gatilho para aumento das vagas temporárias, visto o aumento das vendas nestes períodos. Mas a tendência é que com o decreto 10.060, que esclareceu muitos pontos da lei 6.019/74, e em razão da pandemia, esta modalidade específica de contratação, seja mais utilizada, não só para picos de produção e venda, mas  também para substituições de efetivos próprios, em razão de afastamentos diversos.

Mesmo com os lockdown acontecendo, as vendas de chocolates não devem ser tão atingidas, pois os principais pontos de venda de chocolates são os supermercados, mercados, atacados, farmácias, etc, considerados atividades essenciais.

“A pandemia ainda é um fantasma, trazendo insegurança e incertezas. As empresas continuam com o pé no freio para repor seus quadros, e mesmo diante deste quadro, as vagas temporárias continuam a crescer, já que se encaixam perfeitamente  à esta situação,   pela sua forma rápida, eficaz e segura de contratar. Além de acompanhar a oscilação do mercado e garantir uma gestão mais assertiva”, ressalta.

Mercado segue confiante 

Em outra base de percentual, o presidente da entidade, Marcos Abreu, estima que a geração de mais de 805 mil vagas temporárias entre os meses de janeiro e março de 2021, devem  superar em 25% as 644.500 contratações temporárias no mesmo período do ano passado. 

Na percepção dele, a indústria segue impulsionando as contratações, seguida pelo Agronegócio, pelo setor de Serviço e Comércio. “Além disso, nossas estimativas apontam que a taxa média de efetivação de 22%, alcançada no final de 2020, irá se manter neste 1º trimestre de 2021. Um resultado excelente, já que anteriormente a taxa girava em torno de 15%”, destaca.

Outro ponto importante, de acordo com Abreu, é que o período de duração do contrato temporário na Indústria, que era de 45 dias em média, será superior a 77 dias em 2021. “O período de contratação será bem maior para a Indústria conseguir atender o volume de demandas do mercado”, diz.

Para o presidente da Asserttem, diante das incertezas que a pandemia ainda gera na economia do país, as empresas seguirão se apoiando no Trabalho Temporário para garantir maior flexibilidade de gestão e, assim, conseguirem se manter no mercado, utilizando a modalidade de contratação para substituição transitória e para demanda complementar de trabalho de forma rápida, eficaz e segura.

“As empresas já enxergaram que o Trabalho Temporário é uma excelente opção formal de contratação, que preserva os direitos dos trabalhadores e ainda confere flexibilidade de gestão para acompanharem as oscilações da economia”, explica.

Páscoa anima

O mês de janeiro teve um resultado surpreendente na geração de vagas temporárias. Ao todo foram 178.640 novas contratações, um aumento de 37,3% com relação ao mesmo mês de 2020 (130.100 vagas). Destas, 16.380 são para atender às demandas de Páscoa na indústria de chocolate, comércio e serviço, alta de 31% com relação ao ano passado (12.503 vagas).

De acordo com a Associação, 65% das contratações temporárias de janeiro foram impulsionadas pela Indústria para atender a demanda complementar de trabalho em segmentos como Alimentos, Farmacêutica, Embalagens, Metalúrgica, Mineração, Automobilística, Agronegócio e Óleo e Gás; seguido de 25% do setor de Serviços e 10% do Comércio.

Ao todo, nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2020, a Páscoa gerou 33.906 contratações temporárias. Neste ano, a projeção da Asserttem é de mais de 42 mil vagas temporárias no período. “A Páscoa teve um papel importante no resultado de janeiro, visto que a indústria de chocolates acelerou as contratações temporárias, pois está com uma demanda de trabalho 31% superior do que em 2020 e iniciaram a produção de chocolates com antecedência”, conclui o presidente da associação, Marcos de Abreu.

A Abicab (Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas), está otimista em relação à performance do setor para 2021. Para atender à demanda do período da Páscoa deste ano, a indústria de chocolates prevê 11.665 contratações temporárias diretas e indiretas de profissionais que atuarão nas linhas de produção ou nos pontos de venda. O número representa um crescimento de 4,8% em relação às contratações do ano passado.

“As contratações para suprir a demanda começaram a ser realizadas a partir de agosto do ano passado e o planejamento para a Páscoa tem início com até dois anos de antecedência. Isso acontece porque as empresas têm de elaborar e planejar todo o portfólio, realizar as contratações e definir todos os detalhes, como, por exemplo, tendências, embalagens e logística”, afirma Ubiracy Fonseca, presidente da entidade. 

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email