Participação nos lucros e 13º salário podem virar investimento futuro

Para quem está pensando em fazer um pé de meia, este é o momento ideal para começar a planejar como investir os recursos extras que serão recebidos no fim do ano, como 13º salário, gratificações e participação nos resultados. “Se você está endividada ou já tem planos para usar estes recursos, pode planejar os investimentos para o ano que vem. Os resultados valem a pena”, afirmou a superintendente executiva de advisory do Santander, Sinara Polycarpo Figueiredo.
A especialista ressaltou que o investimento ideal deve partir de duas premissas: o tempo do investimento e o perfil do investidor. Portanto, as recomendações são semelhantes para qualquer faixa de renda. Mas há um princípio geral: “se você poupar 20% de sua renda por 30 anos poderá manter o seu padrão de vida por mais 20 anos, após sua aposentadoria. Ou seja, guardando apenas 1/5 do que você ganha hoje, poderá construir o patrimônio que a sustentará no futuro. Essa simulação considera que as aplicações tenham remuneração real de 4% ao ano, líquidas de imposto de renda “, esclareceu Sinara.

Cliente deve planejar passo-a-passo

a O começo -quem está começando sua reserva financeira deve priorizar a preservação do capital, por isso é aconselhável investir em opções conservadoras, que estão menos sujeitas a oscilações do mercado, como poupança e fundos DI (seguem a variação da taxa de juros de curto prazo).
aReserva feita -quem já tem uma reserva equivalente a seis salários mensais já pode começar a pensar em outras alternativas de investimento para fazer o capital render. Pode-se escolher investimentos mais expostos às oscilações do mercado, mas com potencial de retorno maior do que as aplicações de menor risco. Recomenda-se a diversificação do investimento, com uma carteira composta por fundos DI, fundos multimercados (como o nome diz, investem em diferentes mercados, com gestão qualificada e exclusivamente focada em proporcionar retornos acima dos juros de curto prazo) e ações.
a Aposentadoria -quem quer poupar recursos para a aposentadoria pode seguir a recomendação anterior, mas é aconselhável também destinar parte do capital para um plano de previdência privada, que oferece um benefício fiscal (desconto no imposto de renda) importante no longo prazo. O nível de risco do plano de previdência deve ser compatível ao restante da carteira e adequado ao grau de tolerância a risco da investidora. “Como nesse caso estamos falando de longo prazo, é recomendável buscar planos de previdência que mantenham parte de sua carteira investida em ações”, sugeriu a superintendente.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email