Padre pode ser o novo prefeito de Coari

Se o Tribunal de Justiça do Amazonas realmente cassar o prefeito de Coari, Adail Pinheiro (PRP), na semana que vem, assume em seu lugar o vice-prefeito Igson Monteiro (PMDB). Ninguém menos que um padre católico. É ele quem assume neste caso, porque o processo envolve denúncias de improbidade administrativa referentes ao mandato anterior de Adail, e não relacionadas a problemas eleitorais da atual chapa. A partir desta provável mudança – o placar pela cassação já está em 15 a 0, de um total de 19 votos –, deve ter início uma nova batalha pela administração do município mais rico do interior do Estado. Isso porque o empresário Raimundo Magalhães (PRB) fará de tudo para ver julgados os processos em que os adversários são acusados de compra de votos, na Justiça Eleitoral. Somente em caso de uma nova decisão pela cassação nesta instância judicial é que o segundo colocado no pleito assume o cargo. E o padre, uma vez empossado, terá todo apoio de seu partido, o maior do país, para se manter como prefeito, sem contar a forcinha da Igreja Católica, que passaria a comandar o segundo município no Estado – Carlos Góes (PT), de Maués, também é sacerdote.

CONTRADIÇÃO

Dez deputados estaduais já assinaram o documento que propõe a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar casos de pedofilia no Estado. São eles: Luiz Castro (PPS), José Ricardo (PT), Marcelo Ramos (PSB), Chico Preto (PMN), Conceição Sampaio (PP), Tony Medeiros (PSL), Cabo Maciel (PR), Ricardo Nicolau (PSD), Arthur Bisneto (PSDB) e Adjuto Afonso (PP). Segundo Castro, autor do pedido, alguns parlamentares solicitaram um tempo para analisar o documento.

ATO PÚBLICO

Está previsto para a tarde de hoje um ato público no auditório Belarmino Lins, da Assembleia Legislativa, reunindo diversas entidades envolvidas com as causas que envolvem crianças e adolescentes. Eles pretendem pedir celeridade nos processos contra os pedófilos.

DEFESA

Do deputado Fausto Souza (PSD), arrolado como réu no processo decorrente da Operação Estocolmo, que investigou uma rede de prostituição infanto-juvenil: “Quero apelar aos meus pares que não se influenciem pelos noticiários e que não me lancem no rol dos culpados, antes de me ser oportunizada a defesa, porque esta trará a revelação da verdade”.

EX-LÍDER

Do deputado Chico Preto, ao justificar a entrega da liderança da maioria na Assembleia, ontem: “É chegado o momento da minha caminhada em que essa sustentação se torna incompatível com aquilo que me disponho a fazer neste momento, que é assumir a legenda amazonense do PMN (Partido da Mobilização Nacional) e apresentar uma proposta política mais ousada”. Ele quer ser candidato a governador.

QUÓRUM

Em sua cruzada para manter o quórum no plenário em dias de sessão legislativa, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Josué Neto (PSD), sugeriu que os colegas aproveitem o maior contato com a população neste ano eleitoral, tanto na capital quanto nos municípios do interior, para trazer à discussão os problemas e demandas da sociedade. O problema é que, na maioria dos casos, os parlamentares levam esses anseios direto ao Executivo, já que têm urgência em resolver as situações para cabalar votos.

SUSPEITO

O deputado Tony Medeiros (PSL) estava na sala de embarque do aeroporto Júlio Belém, em Parintins, quando viu o prefeito Alexandre da Carbrás (PSD) recusar-se a ter as bagagens de mão analisadas por aparelho de raio-X. Em conversa com pessoas presentes ali, descobriu que isso é recorrente. “É muito suspeita a atitude dele, que ainda utiliza a sala Vip separada da área de embarque, fugindo da fiscalização”, acrescentou.

DENÚNCIA

O pedido de explicações quanto ao que considera uma falha de segurança no aeroporto de Parintins será encaminhado, nesta semana, ao diretor presidente da Anac, Marcelo dos Guaranys. A denúncia também será enviada para a Polícia Federal para investigação.

METRALHADORA

O deputado Marcelo Ramos (PSB) acionou uma metralhadora giratória ontem na Assembleia Legislativa. Apontou problemas no caixa do Estado, e contraposição ao discurso feito na véspera pelo governador Omar Aziz e acusou o senador Eduardo Braga (PMDB) de proteger Adail Pinheiro, entre outras cutucadas. Será que combinou com o partido?

JULGAMENTO

Os nomes do ex-secretário Municipal de Finanças, Planejamento e Tecnologia da Informação, Alfredo Paes dos Santos, do chefe da Casa Militar do Estado, Wilson Martins de Araújo e do ex-diretor-presidente do Instituto Municipal de Ordem Social e Desenvolvimento Urbano são os destaques entre os gestores que terão suas contas julgadas hoje pelo Tribunal de Contas do Estado.

TRANSPARÊNCIA

Desde o final do ano passado o TCE tem dado especial atenção aos órgãos que se negam a implantar o portal da transparência. Na sessão de hoje serão apreciadas as representações formuladas pelo Ministério Público de Contas do Amazonas contra o diretor-presidente da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas, Edson de Oliveira de Andrade e contra a prefeita de Ipixuna, Aguimar Silvério da Silva, por conta disso.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email