Divulgação

O Brasil pede a criação formal ou informal de um “conselho de sábios” para orientar os responsáveis pela condução dos poderes da República. Não podemos continuar alimentando crises, conflitos, diante de uma pandemia, uma crise social, institucional, política e econômica.

Na verdade, a economia vai mal, apenas recuperando espaços abertos pela brutal queda do ano passado. O emprego não reage, pela lentidão das reformas, alimentando este ambiente de desconfiança dos mercados e nos investidores. A bolsa resiste pelo receio da inflação, o real é valorizado pelo excedente na balança comercial, quase toda ela originária do agronegócio e da mineração. A indústria está parada, quando não sucateada. Por isso, vamos caindo entre as economias mais robustas. Falta qualidade e produtividade.

 Temos um banco de sábios, brasileiros com mais de 80 anos e com relevantes serviços prestados na vida pública. Homens que a esta altura só ambicionam legar a filhos e netos um Brasil melhor. Um país mais ético, mais justo, com mais ordem e respeito.

 Essa CPI é oportuna, pois realmente o governo negligenciou na reserva de vacinas, o que está ficando mais do que provado, insistiu num fantasioso tratamento precoce, estimulou e estimula aglomerações e até contesta o consagrado uso de máscaras. Revela, entretanto, um baixo nível no comportamento de alguns senadores e um claro objetivo político em outros. Perderam o respeito à opinião pública.

 Em um momento de humildade e reconhecimento da gravidade da crise sob este aspecto do diálogo e de uma pauta positiva, deveriam ser ouvidos, de alguma forma, notáveis na postura com que se portaram. Ocorre-me nomes como Bernardo Cabral, Ives Gandra Martins, Carlos Velloso, Francisco Dornelles, Francisco Weffort, Marcílio Marques Moreira, Ibrahim Abi-Ackel e Ernane Galvêas, entre outros. E claro José Sarney, experiente e equilibrado.

 Afinal, se esse clima permanecer até as eleições do ano que vem, trará prejuízos significativos para qualidade de vida do nosso povo, de nossa economia e de nossa estabilidade democrática. Chocante a tese de oposicionistas de que o governo deve ir sangrando até lá, impulsionado pelo cada vez mais estranho e preocupante comportamento do presidente da República. Temos muito a corrigir, mas temos muito a prestigiar, graças a face positiva e operosa do governo nos avanços na legislação e nas concessões. E realizações. 

 Uma pena que o que está acontecendo de positivo seja ocultado por essas crises provocadas a cada semana pelo presidente, que não percebe que ele é o maior prejudicado com o que diz na contramão do bom senso, nacional e internacional. E diz de forma inadequada para o cargo que exerce. No que, infelizmente, é acompanhado por críticos, com mandato ou não.

 Dentro da Constituição, a ordem e o progresso parecem que só podem vir pelo aconselhamento de brasileiros notáveis, sem ambições e sem ideologia.

Fica a sugestão!

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email