25 de fevereiro de 2021

Dificuldade é algo de rotineiro acontecimento no cotidiano de nossas empresas. Precisamos estar sempre preparados para atacarmos de frente problemas oriundos de decisões tomadas que não atingiram o alvo esperado. Não podemos aguardar o fato acontecer, devemos atuar antecipadamente de forma planejada e focada e assim poder trabalhar melhor nossas deficiências momentâneas reduzindo nossas dificuldades de inovar, de reter talentos em nossas organizações, de absenteísmo (faltas ao trabalho), de apatia e não reação ao ataque da concorrência, de falta de definição de metas buscando e fazendo com que ações e palavras façam realmente a diferença no ato de realizar e buscar a excelência no que fazemos. 

A falta de entusiasmo nos faz criar de modo assustador uma dificuldade de inovação sem precedente em nossa vida. O pior é a extensão de tal ato para todos os níveis organizacionais dando sempre o mau exemplo e dificultando consideravelmente a permanência em nossas empresas de bons e grandes talentos que optam por ingressarem em organizações mais modernas e flexíveis criadoras de situações prazerosas dentro do trabalho. A clareza e a honestidade em nossas comunicações e em nossos atos pode ajudar de modo positivo a busca do entusiasmo necessário para praticarmos a inovação em tudo que fazemos melhorando o desenvolvimento organizacional. 

A falta de ação e até reação ao ataque da concorrência é outro grande problema, pois, além de, muitas vezes, não nos preocuparmos em planejar antecipadamente será muito mais difícil combater do que se tivéssemos tomada a consciência de antecipação caracterizando-se assim como estratégico. Estamos vivendo um elevado grau de estresse em organizações e o pior é ainda perdemos nossos funcionários e termos de buscar, no mercado, um novo participante em nosso processo tendo que se adaptar a novas situações não tão agradáveis devido as cobranças naturais de melhor desempenho e rentabilidade no menor espaço de tempo possível. 

A falta de definição ideal de metas nos faz não atingir todos os objetivos traçados pela organização. Sempre nas organizações haverá busca de um objetivo, todavia, as vezes, falta maturidade suficiente para discernirmos a melhor diferença entre objetivos e metas. Para melhor entendermos é interessante analisarmos o objetivo como o maior e definitivo interesse no realizar e as metas devem ser a divisão deste objetivos em fases menores para facilitar e caracterizar uma sensação de que podemos atingir os objetivos a partir de divisões menores chamadas metas e que o mais importante é a soma positiva das metas atingidas para se chegar no objetivo maior. Para tudo isto é muito importante ações e palavras, pois, assim poderemos realmente fazer a diferença. 

Muito podemos fazer para reduzir significativamente os problemas desnecessários nas organizações. Mas, devemos ter a convicção de que eles sempre existirão, até porque isto sinaliza para todos a não acomodação no agir. Errar faz parte do processo de busca da perfeição. Não podemos deixar a falta de entusiasmo ser parte integrante de nossos profissionais e de nós mesmos. Para isso a clareza na comunicação, a ética e a transparência no que fazemos será importante para reduzirmos nossas dificuldades e limites.

Com a consciência de buscar o melhor de cada membro envolvido nos processos existentes, certamente, estaremos ocupando um espaço de destaque em toda uma sociedade combatendo nossos concorrentes com dignidade e técnicas vencedoras bem definidas, evitando muitos problemas desnecessários e conseguindo resolver os mais complexos com muita garra e determinação. Podemos escolher entre resolver e até mesmo atropelar os problemas ou simplesmente ser atropelado por eles, isto é e continuará sendo apenas uma questão de opção. 

Vamos refletir sobre isto? 

*Flávio Guimarães é Mestre em Engenharia de Processos pela UFPA, Diretor da Guimarães Consultoria e Treinamento Empresarial Ltda., Administrador de Empresas, Especialista em Empresas Públicas e Privadas, Pós Graduado em Gestão Estratégica de Negócios, Consultor Empresarial, Pós Graduado MBA Gestão e Docência do Ensino Superior, Professor Universitário (Estácio Amazonas), articulista do Jornal do Commercio e da Amazon Play TV digital e Coordenador de MBA Executivo e dos Cursos de Logística, Qualidade e Recursos Humanos e do LPG – Laboratório de Práticas em Gestão da Faculdade Estácio do Amazonas. 

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email