Os desafios da volta do trabalho presencial

Em março de 2020, uma nova realidade chegava ao cenário nacional, mesmo que já conhecida desde o final de 2019 por outros países, em especial do continente europeu e da Ásia.

Passamos a enfrentar um vírus ainda desconhecido, que, em pouco tempo, atingiria todos os continentes, resultando em uma pandemia de magnitude nunca vista e que obrigou a humanidade a se distanciar e, até mesmo, se isolar. Quarentenas foram impostas pelo mundo todo para manter a saúde pública e conter a crise.

Dentro desse panorama havia muitas incertezas e as previsões iniciais eram otimistas, ao menos no Brasil, estimando-se a necessidade de uma quarentena de duração inicial de apenas 15 dias, mas lá se vão quase 18 meses.

Fato é que com o início da pandemia apareceram muitas incertezas e desafios para o mundo corporativo. Com a realidade imposta, as empresas tiveram de buscar o inimaginável para manter seus negócios em funcionamento e o emprego de parte da população. Alguns conseguiram manter seus negócios, outros infelizmente não e muitos se reinventaram.

Obviamente que a Covid-19 ocasionou grandes mudanças nas relações de trabalho, os efeitos transformadores da pandemia foram imensos, mas nem tudo foi negativo. Observarmos que houve uma mudança de paradigmas que impulsionou a chamada 4ª Revolução Industrial, a qual decorre do inegável avanço da tecnologia, da automação comercial e da inteligência artificial, o que acaba por se impor à ordem econômica e à forma como as pessoas vivem.

Muito conjectura-se de que não existirão espaços físicos de maneira fixa, o que leva inclusive o indivíduo a se desprender dos hábitos adquiridos durante o home office, necessitando de um rearranjo dos horários, até mesmo do estimado cafezinho.

Sem dúvida alguma, o retorno às atividades presenciais será tão desafiador quanto o isolamento inesperado em home office de 2020.

A boa notícia é que, desta vez, a mudança não precisa ser feita de forma abrupta, mas poderá ser gradual, havendo tempo para empregados e empregadores se estruturem da melhor maneira possível, procurando manter a economia ativa e os postos de trabalho.

O momento ainda é de atenção, a vigilância deve ser mantida e políticas formais e novos procedimentos devem ser desenhados para o enfrentamento desse capítulo em linha com a legislação vigente e o entendimento dos órgãos fiscalizadores e dos tribunais do Trabalho. No entanto, não se deve temer o reinício após passado o primeiro impacto da crise de saúde e econômica. Desse modo, o que esperamos é um bom retorno a todos, com garantia de segurança e produtividade, em que os departamentos de recursos humanos e jurídico, com certeza, serão muito demandados.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email