13 de abril de 2021
https://www.jcam.com.br/artigo_cad1_1411.jpg
O setor dos orgânicos é um destes exemplos que nos últimos dez anos tem demonstrado grande desenvolvimento, despertado primeiramente

Aquecimento global, movimento verde, novas fontes de energia renováveis, responsabilidade sócio-ambiental, transgênicos e orgânicos são temas nos quais o Brasil aparece em destaque nos debates, seminários e discussões no mundo afora, seja como protagonista ou como facilitador; seja como diretamente atuante ou como discreto participante de um processo que busca, cada vez mais, os equilíbrios: econômico, financeiro, social e ambiental do sistema.

O setor dos orgânicos é um destes exemplos que nos últimos dez anos tem demonstrado grande desenvolvimento, despertado primeiramente pela consciência de seus integrantes na cadeia produtiva e, em seguida, pelo grande interesse e demanda do mercado externo, que cresce em escala exponencial.

A busca do conceito de orgânicos não se restringe apenas a de “produto livre de química, pesticidas, hormônios, antibióticos, radiação e outros tratamentos feitos e produzidos pelo homem”. Hoje, a busca vai também para o pensamento filosófico do desenvolvimento da cadeia produtiva, onde o tratamento das pessoas, animais e do meio ambiente são fatores determinantes para sua certificação e aceitação junto ao consumidor final.

O grande desafio do setor está em como fazer este trabalho em escala global, quebrando os paradigmas do pensamento purista e entrando para o comércio externo com a manutenção de todos os benefícios que podem ser gerados na cadeia produtiva local. Atualmente, o país é o sexto maior em extensão de área destinada à produção orgânica e é conhecido como o grande provedor de grãos, cereais, óleos, frutas, produtos de origem animal como mel e carnes. Além do mais, tem dimensões territoriais vantajosas, biodiversidade presente em todas elas, clima bem temperado nas quatro estações, livre de qualquer desastre meteorológico grave e, principalmente, é trabalhado por um povo que tem cultura diversificada e aberta aos mercados específicos.

Justamente com o objetivo disseminar a capacidade de transformar orgânicos em produtos com a “cara do Brasil” e com a marca do Brasil e de promover a exportação, o Projeto organicsBrasil foi criado há mais de dois anos e é um exemplo de trabalho estruturado. O projeto destina-se a todos os agricultores, produtores e processadores de produtos orgânicos brasileiros que possuem Certificação Internacional e visa preparar os demais para inserção no mercado internacional, com intuito de incrementar as exportações do setor e gerar benefícios econômicos e sociais.

Diversos programas estão em andamento no país, apesar de ainda não possuir uma legislação específica.

Atualmente, na esfera federal, o Ministério da Agricultura trabalha para a regulamentação do setor, através da promulgação da Lei 10.831; e as ações são efetivadas pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário, dentro do Pronaf (Programa Nacional de Fortale cimento da Agricultura Familiar) que beneficiam centenas de pequenos agricultores familiares, capacitando-os para produzir alimentos saudáveis e de alto valor agregado. Além disso, o Ministério do Desenvolvimento e Indústria e Comércio, através da Apex-Brasil, iniciou em 2005 um Projeto Setorial exclusivamente para promoção dos produtos brasileiros no mercado externo.

Do lado do setor privado, onde antes observávamos apenas o desenvolvimento de pequenos empreendimentos e produtores familiares, já encontramos grandes e médias empresas nacionais – como a Nutrimental, Agropalma, Native, Fazenda & Casa, Jasmine entre outras – que possuem produtos desenvolvidos adotando alguns conceitos inovadores no seu processo, como: a linha de fabricação livre de carbono, a restrição ao uso de produtos de origens animais, o reforço do relacionamento das pessoas, o bem estar e a saúde educacional.

O desenvolvimento destes produtos acaba fortalecendo toda a cadeia produtiva. Numa ótica mais global, hoje temos empresas como a Coca-Cola, Kraft, Danone, Cargill, Unilever, Kellogs e Heinz que, devido ao seu gigantismo, passaram a ad

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email