Oportunidades em novas formas de empreender

A pandemia do novo coronavírus impôs uma nova realidade à economia mundial e trouxe impactos na forma de empreender. Não foi diferente em Manaus. Logo após o surgimento dos primeiros casos da doença, o governo estadual determinou, por meio de decreto de calamidade pública, em 23 de março, o fechamento de comércios não-essenciais. A medida ainda foi prorrogada por 180 dias. 

Segundo os dados da nova pesquisa Pulso Empresa, do IBGE, em torno de 53% das pessoas jurídicas brasileiras enfrentaram dificuldades em realizar pagamentos de rotina, como tributos, fornecedores, salários, aluguéis, etc. Esse quadro é pior para o setor de serviços, com percentual de 60%. Tal quadro acendeu o alerta para uma possível onda de inadimplência e disputas judiciais a respeito de passivos acumulados durante a pandemia em pelo menos 12 segmentos, especialmente nos serviços prestados às famílias (80%).

Em Manaus, o Sebrae se adaptou às necessidades dos empreendedores diante do novo momento de pandemia. De acordo com o levantamento da UAR (Unidade de Atendimento e Relacionamento), de abril até julho quando a maioria das atividades presenciais foram suspensas, houve um aumento substancial no atendimento remoto, principalmente nos cursos de EaD (educação à distância). “De janeiro a setembro, nossos acessos de atendimento remoto através do portal contaram com quase 10 mil visitas e 23.661 mil inscritos no EaD. Os atendimentos pela Central de Relacionamento chegaram a 17.501 mil, com 2.452 inscritos no webinar. E o ‘Fale com o Especialista’ atendeu 2.246 pessoas”, listou a gerente da área, Helena Garcia. 

Reinvenção do MEI

A gerente de Atendimento e Relacionamento do Sebrae no Amazonas, Helena Garcia, destaca que a mudança na forma de funcionar foi uma das principais demandas dos MEIs (Microempreendedores Individuais). A categoria foi criada com o objetivo de regularizar a situação de profissionais informais que faturam até R$ 81 mil por ano ou R$ 6.750 mensais. Enquadrado no Simples Nacional e com CNPJ, este empreendedor pode abrir conta em banco e tem acesso a crédito com juros mais baratos. Pode ter endereço fixo para facilitar a conquista de novos clientes, e ficará isento dos tributos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL), com direito à aposentadoria e afastamento remunerado por problemas de saúde e auxílio-maternidade. 

“O MEI buscou informações para desenvolver etiquetas para trabalhar o e-commerce e as plataformas digitais para aumentar as vendas. E como ele poderia mudar o seu modelo de negócios por não atender uma situação e precisar mudar. Temos, por exemplo, um MEI que vendia tapioca presencial e que não teve o cuidado de ter uma lista de clientes com o WhatsApp. Então, veio a pandemia. Para este profissional, tivemos palestras para desenvolver um modelo de negócio indicando como ele deve trabalhar essa experiência e a jornada do cliente”, destacou a gerente do Sebrae no Amazonas. 

Necessidades e oportunidades

O distanciamento social e a preocupação com as pessoas, sobretudo idosos, fez surgir demandas por microsserviços e melhorias dos negócios. As demandas levantadas pela UAR (Unidade de Atendimento e Relacionamento) do Sebrae no Amazonas, listam tendências que devem permanecer após a crise do coronavírus. 

A lista inclui cuidados com a higiene (68%), compras de pequenos produtores locais (57%), ampliação do ensino à distância (53%), realização de reuniões por videoconferência (51%), higienização de produtos e alimentos que chegam em casa (51%), compras de supermercado online (49%), trabalho remoto/home office (46%), assistir a lives de shows de casa (43%), praticar atividades físicas em casa (43%), ter consulta médica à distância (37%), fazer a própria faxina e dispensar diarista (35%) e usar máscara na rua (30%).                                                                                         

“Novas necessidades dentro da hierarquia de necessidades surgiram”, salientou Helena Garcia. Ela cita o exemplo da maior procura pelo serviço de delivery, a necessidade de cuidadores de idosos para ajudar a fazer as compras, o processo de entrega da farmácia que mudou e cuidadores de pets. “São coisas mínimas, pequenos microsserviços que foram demandados. Foram pequenas necessidades que surgiram e todo mundo teve que se adaptar a elas”, completou. 

Protocolos e benefícios

Os casos que chegaram ao Sebrae em Manaus levantados pelo Jornal do Commercio estavam muito focados na sobrevivência, como negociar dívidas com fornecedores, como trabalhar protocolos de retomada para todos os segmentos. Entre estes, foi editada uma cartilha específica para salão de beleza. 

O MEI que buscou crédito também recebeu apoio online, com orientação. “Tivemos que montar uma equipe com dez consultores para atender a parte contábil e fiscal. Orientamos sobre aquela questão dos benefícios do governo federal para entrar em acordo com folha de pagamento, o que priorizar com relação aos colaboradores e negociar com fornecedores”, relatou a gestora do Sebrae-AM. 

A 7ª edição da Pesquisa de Impacto da Pandemia de Coronavírus nos Pequenos Negócios apontou que, apesar de 81% das empresas já estarem operando novamente, aquelas que estão situadas em locais com maior risco de aglomeração, ainda enfrentam dificuldades para voltar a operar e retomar o faturamento. 

O levantamento realizado pelo Sebrae, em parceria com a FGV (Fundação Getúlio Vargas), entre os dias 27 e 31 de agosto, com 7.586 empresários de pequenos negócios dos 26 Estados e Distrito Federal, identificou que os negócios localizados dentro de feiras ou shoppings populares são os mais impactados pela pandemia. De acordo com a pesquisa, esses empreendedores são os que ainda registram o maior nível de dificuldade de operação. Por outro lado, os estabelecimentos que funcionam em lojas ou salas de rua, que são o perfil de negócio que mais implementou mudanças para voltar a funcionar, estão enfrentando um nível menor de dificuldades para manter os empreendimentos abertos.

Boxe1

Receita de família e de sucesso 

A Lasanha da Vorita, conta Amira Said, segue uma receita de família criada pela matriarca Ednelza Said. O formato é tradicional, mas “sem abrir mão de um genuíno presunto e um tal molho branco de irritante e genuíno sabor, acrescidos de pitadas de muito amor que brotavam do coração e dos lindos olhos azuis de sua saudosa ‘Chef’”, explica o texto do flyer do empreendimento. 

“Participei, em dezembro, do Bazar da Cris. Foi uma aceitação muito grande da Lasanha da Vorita. Nos três dias de bazar, vendemos quase 300 lasanhas de 500 gramas”, garante a empreendedora.

Com classificação de legado, a “Lasanha da Vorita” é nada mais do que uma deliciosa receita de lasanha, cujo sabor é de memoráveis encontros familiares de uma pequena, porém barulhenta família. 

O restaurante trabalha com café da manhã, almoço, lanche da tarde e também oferece um cardápio com sopas, caldo verde, hambúrguer artesanal e lasanha. Funciona de segunda a quinta (das 7h às 18h), com horário especial na sexta e sábado (das 7h às 23h). O preço da lasanha varia de R$ 25 a R$ 40. Delivery pelo número (92) 99900-0000.

Aposta no empreendedorismo

Ao completar uma década de funcionalismo público, Hariele Quara, entrou em crise existencial. Como funcionária pública, começou trabalhando como redatora, depois como assessora de comunicação. Por fora, para complementar a renda, aceitava serviços freelancers de revisão textual. “Fiquei me perguntando se queria passar os próximos dez anos fazendo a mesma coisa. Sinceramente, não era isso que eu queria. De início, pedi os três meses acumulados que tinha de férias e me aventurei no empreendedorismo. O negócio deu muito certo. Posteriormente, pedi licença não remunerada para continuar no sonho de ter meu próprio negócio”, relatou.

Há um ano e quatro meses, tornou-se referência na prestação de serviços de revisão textual, especialmente em textos jornalísticos, conteúdo web e materiais acadêmicos, bem como mentoria, consultoria e treinamentos para jornalistas que desejam aperfeiçoar sua escrita, e revisores que buscam potencializar sua atuação profissional. “Hoje, atendemos todo o país. A maioria dos clientes e alunos é de fora do Estado, e já chegamos à marca de 2.000 alunos capacitados”. Informações por meio do site www.mestredarevisao.com.

Saúde com estética 

Enfermeira desde 2012, Fernanda Sena trabalha por conta própria há dois como home care, realizando curativos e outros cuidados de saúde no domicílio de seus pacientes. “Resolvi unir o útil ao agradável, ao cursar uma pós-graduação em Saúde Estética na Bio Cursos”, contou a enfermeira esteta.

Especializada em Saúde & Beleza, desde fevereiro ela já atende por agendamento em domicílio, ou em salão, com hora marcada e equipamentos próprios. Para o futuro, pretende expandir seu empreendimento e realizar os atendimentos em uma clínica própria que planeja montar. 

Entre as especialidades que a profissional oferece como serviço estão os tratamentos estéticos corporais e faciais, massagem modeladora, massagem relaxante para gestantes, drenagem linfática, limpeza de pele, aplicação de injetáveis, carboxiterapia, microagulhamento, bambuterapia, gessoterapia, e mais.

Mais informações sobre agendamentos, avaliação gratuita, tratamentos e valores, por meio do telefone (92) 98425-6768 (WhatsApp) e nos perfis do instagram www.instagram.com/fernandasenaestetica e www.instagram.com/fernandasena05, onde divulga os trabalhos realizados.

De empregado a empresário

Neri Monteiro e Von Romel decidiram empreender, após o desligamento do trabalho formal com a empresa para qual Von trabalhava. Tudo começou com a perda do emprego do meu esposo, devido à crise que veio com a pandemia. Ele era o vendedor mais antigo e já tem experiência nessa área há mais de 40 anos. Por isso, decidiu investir a indenização na abertura do seu negócio”, relatou Neri.

Hoje, eles se definem como um casal de empreendedores. Começaram negócio próprio, com a empresa RN doces e, após um ano de atividades, fecharam. Em julho deste ano, com o pagamento da indenização pela empresa onde Von trabalhava, abriram a RN materiais Elétricos e Hidráulicos em Geral.

De empregado, Von passou a proprietário da própria empresa na área do varejo. “Sempre fomos empreendedores, nossos clientes eram a comunidade da igreja, família e amigos”, diz Von, que pretende trabalhar também com entregas da loja de materiais para reformas e construções.

A loja fica localizada na rua professora Raimunda Magalhães, número 148, no bairro Coroado. Contatos: whatsapp (92) 99305-0728, www.instagram.com/rnmateriais_ e e-mail [email protected]

Revenda com diversidade e fidelização

A S&E Variedades, loja da Sheila Lopes, começou há 16 anos, quando a moradora da Cidade Nova saiu de porta em porta para revender produtos de cama, mesa e banho. “Depois, comecei a vender calcinha e sutiã, e o povo começou a pedir outras coisas. Fui agregando, até que resolvi comprar uma bordadeira para bordar as toalhas. Abri a loja, porque já não dava mais pra levar muita coisa pra vender no carro”, conta a lojista.

“Quando a pandemia chegou, fechei por dois meses e depois comecei a atender por agendamento e usar as redes sociais, WhatsApp e Instagram, onde eu divulgava os meus produtos, os folhetos virtuais em PDF. Foi um período em que as vendas até melhoraram”, revela Sheila.

Na loja de variedades, Sheila revende cosméticos e perfumes de marcas como Boticário, Natura, Select Beauty e Racco, com pronta entrega. Há também confecções, utensílios para o lar, cama, mesa e banho e folheados, com entregas sem cobrança de taxa. “Minha clientela é toda daqui do núcleo 3, 4 e parte do 2. Então, decidi não cobrar pela entrega”, justifica.

A loja funciona das 9 às 12h e das 15h às 19h, de segunda à sábado, na rua Pedro de Ataíde, nº 2 . Encomendas por WhatsApp (92) 99152-9067.

Amazonense com selo argentino

Criada pelos amazonenses Marcel Araújo Rocha e Ana Joulie Moura, a RIAT (Rede Internacional de Acompanhamento Terapêutico) funciona há três anos em Buenos Aires, na Argentina, cidade com maior número de trabalhadores de saúde mental por cem mil habitantes no mundo. 

Em 2020, os sócios abriram a RIAT Brasil, com sede em Manaus. “No mês em que começaríamos a treinar os prestadores de serviço locais, surgiu a covid-19, que nos obrigou focar no mercado argentino. Criamos os protocolos de atendimentos virtuais e presenciais para os casos mais graves”, informou Marcel.

Cada paciente é atendido por uma equipe em conjunto com o médico responsável, psicólogo, neurologista e outros a cargo do tratamento. A empresa atua principalmente no cuidado de pacientes idosos.

A Startup recebeu os prêmios “Best Mental Health Support Service – Argentina” da revista Corporate Vision e foi indicada como uma das melhores pequenas empresas da América do Sul, pela revista New World Report. O próximo desafio é criar um software que integre o Sistema de Gestão Humanizada, aumentando a organização dos dados estatísticos de evolução dos pacientes. Mais informações no site https://riat.com.br/cursoat.

Serviços ópticos personalizados

Há três anos, Taianne Galvão empreende no ramo óptico com atendimento em domicílio. “Comecei na área com 18 anos. Trabalhei em duas óticas como vendedora e saí para estudar, me organizar e ver o que iria fazer. E foi também para ficar mais perto do meu filho, que tinha 4 anos”, narrou.

Os clientes que a vendedora atendia começaram a entrar em contato. Então, Taianne indicava vendedoras das lojas onde trabalhou. Mas não foi o suficiente, porque eles queriam o atendimento da administradora de empresas. “A maioria sempre voltava e queria o meu atendimento. Até que uma cliente, que é muito amiga minha, foi lá em casa e deixou os óculos pedindo para que eu resolvesse. Não imaginei que fosse trabalhar nessa área. A Ótica Raio de Sol acabou sendo meu projeto de empreendedorismo na faculdade”, lembrou.

O enquadramento como microempreendedor individual veio como oportunidade para Taianne melhorar o negócio. “Eles me indicaram fazer no CNPJ de outras pessoas, mas não aceitei. Abri o MEI pela internet. Quando comecei, foi só com as lentes, não tinha nenhuma armação”, apontou. O atendimento personalizado é agendado pelo telefone (92) 99241-3067. Mais informações e modelos podem ser vistos no Instagram @oticaraiodesol.

Hobby que virou empreendimento

Com a quarentena e sem grandes pretensões, a especialista em Marketing, Suzy Braga, começou a compartilhar dicas sobre plantas em seu Instagram pessoal e o interesse das pessoas foi grande, até mesmo pedindo para comprar plantas de sua coleção pessoal.

“O hábito de plantar sempre foi algo muito presente na minha vida, desde a infância. Ao observar esse comportamento e crescente procura por informações e compras, decidi me informar sobre o mercado de plantas e, de fato, percebi o quanto este segmento está crescendo entre os jovens. Com essa perspectiva, criei o Selva no Apê (@selvanoape_plantas) em junho”, explicou.

As plantas são selecionadas com foco em folhagens de alta resistência e preparadas com vistas ao estilo de vida dos clientes, preparadas em vasos com estilo contemporâneo, com drenagem, terra fertilizada e acabamento. “É justamente para facilitar a vida de quem quer ter plantas e não possui espaço para realizar grandes misturas com terra. Estamos dispostos a informar o máximo possível sobre cada espécie, não somente vender. Cada vaso de planta vendido acompanha instruções sobre cultivo, como luminosidade necessária e regas”, destacou. 

Reportagem de Fabíola Abess

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email