O processo judicial eletrônico – modus operandi (Parte 1/2)

O Coronavírus (Covid-19), é novel figura contagiante, de ameaçador e insuportável convívio sonoro e concreto, contaminando e levando a óbito milhões de pessoas em atividades de toda sorte, causa de fortes medidas oficiais de proteção coletiva, traduzidas no evitar-se o aglutinar de pessoas em locais públicos de variados gêneros assim voltados a moldes tais, pelo que, nesta conformidade, o Conselho  Nacional de Justiça, por meio da Resolução n° 314, editada em 20.04.20, estabeleceu normas visando as audiências virtuais ou telepresenciais para evitar a propagação e contaminação do vírus, determinando o fechamento dos prédios dos tribunais, com a suspensão dos atendimentos presenciais, adotando o regime de trabalho  remoto para os funcionários, advogados, procuradores e partes em face de recomendação do Ministério da Saúde.

A pandemia, assim rotulada essa fase de virulência, quanto ao Brasil as atividades cumpridas pelo Judiciário não sofreram maiores contratempos considerando a implantação do Processo Judicial Eletrônico. A propósito hoje consta que na Justiça do Trabalho, quase a totalidade dos feitos tramita sob a forma eletrônica, o que permite a continuidade e a execução dos atos processuais à distância. É manifesto, remarque-se, que o impacto da pandemia gera consequências no campo da saúde, da economia, das relações sociais, dentre outros aspectos que se ligam ao convívio coletivo. 

Assim, restou evitar-se a realização de julgamentos e audiências de forma presencial, mas sem a interrupção das atividades jurisdicionais, seguindo-se para a adoção do ambiente virtual por meio de vídeo conferência, de modo a atender, principalmente, a celeridade e a razoável duração do processo, notadamente quando as verbas postuladas visem a natureza alimentar. Sucede, para atuar nesse quadro, os que nisso se envolvem devem adaptar-se às ferramentas tecnológicas, mais que nunca, o que poderá em casos tais tornar-se um difícil obstáculo ou mesmo levar a episódios de cunho nada jurídico, mas até pândego, como se relatará adiante. É que, inúmeras pessoas não lidam adequadamente com aqueles citados meios, quais sejam computadores com equipamentos tipo câmara, microfone, caixa de som, internet, afora o desembaraço indispensável para participar de processos dessa ordem virtual.

Relate-se, já acima anunciado, as circunstâncias induziram a levar os serviços jurídicos para um escritório, completo, posto em parte da residência do advogado, aliás veterano, idoso mesmo, a ponto de não ter completo domínio dos meandros eletrônicos listados.  Mas, confiante, dava como viáveis as audiências virtuais, realizando-se então a primeira delas, cuja instrução se deu a contento no novo espaço, mas com algo inusitado quando do encerramento, lembrando um episódio internacional amplamente divulgado, em que ao final da audiência foi esquecida a câmera ligada, vendo-se advogado e secretária, quem sabe festejando o desfecho, pondo-se a fazer amor no ambiente. Há outras passagens do gênero, mas vamos ao nosso caso regional nada como o outro que foi colhido das redes sociais dando-se em volta do Peru. (Referimo-nos ao Peru país). 

Mas antes, revelemos que a mudança para o endereço digamos telepresencial trouxe alguns contratempos, visto situar-se num bairro residencial, com pedintes à porta, ao invés dos flanelinhas fustigando no centro quando lá ficava o escritório. Ademais, sujeito a ruídos infernais de carros em alta velocidade e sobretudo de Motoboys ao cruzarem as ruas vazias pisando e acelerando ao dobrar a esquina junto à sala reservada para as audiências virtuais, conduzindo caixas de entregas, cujo número de pedidos não para de crescer. (Continua). 

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email