Na Austrália, cientistas da Universidade RMIT, na cidade de Melbourne, anunciaram a criação de uma pele artificial capaz de sentir dor, pressão e temperatura. O material,  que recria as características de uma pele real, envia sinais elétricos ao cérebro através das vias neurais.

De acordo com os cientistas criadores do projeto, o objetivo principal é conseguir transmitir sensações táteis em próteses de braços e pernas, ajudando na substituição de enxertos de pele reais por materiais artificiais. Madhu Bhaskaran, um dos autores do estudo, conta que nós estamos sentindo coisas através da pele o tempo todo, mas que a nossa resposta à dor apenas entra em ação quando necessário, quando tocamos algo muito quente, por exemplo.

“Nenhuma tecnologia eletrônica foi capaz de imitar uma sensação de dor humana de forma tão realista — até agora. Nossa pele artificial reage instantaneamento quando a pressão, o calor ou o frio atingem um limite doloroso”, conta o cientista. O projeto envolveu a criação de três diferentes dispositivos: um que detecta a pressão, um a temperatura e outro a dor.

Os pesquisadores usaram materiais óxidos combinados com silicone, que possibilitou a criação de algo que pode ser dobrado e flexionado sem quebrar, além de um revestimento sensível à temperatura. Então, com a ajuda de células de memória semelhantes ao cérebro, foi possível decidir como processar os dados sensoriais e enviar os sinais corretos quando os limites são atingidos.

Google lança ferramenta que identifica o motivo de uma empresa ter te ligado

O Google anunciou nesta terça-feira (8) uma nova ferramenta que vai ajudar os usuários a descobrirem o motivo de uma eventual ligação de uma empresa antes mesmo de aceitá-la. A função faz parte do app Telefone, disponível para dispositivos Android, inicialmente para usuários de Brasil, Espanha, Índia, México e Estados Unidos.

Em comunicado, o Google afirmou que a ferramenta estava em testes há alguns meses e os primeiros resultados indicaram um aumento na probabilidade de alguém atender a uma chamada — quem nunca recusou uma ligação de um número desconhecido justamente por não saber do que se trata, não é?

O recurso funciona assim: quando o Google identificar uma empresa que está ligando para você, o aplicativo vai exibir nome, número e logotipo do estabelecimento, além do motivo da chamada e um símbolo de verificação. Segundo a empresa, a ferramenta é ideal para bancos alertarem seus clientes sobre possíveis transações fraudulentas e serviços de entrega de alimentos ou logística.

O app Telefone está disponível para alguns smartphones na Play Store e nativamente em aparelhos da linha Google Pixel. A empresa afirmou que mais dispositivos Android terão suporte ao aplicativo nas próximas semanas.

Reator solar gera combustível limpo com luz solar, CO2 e água

Aparelho é capaz de converter a luz solar, CO2 e água em combustível neutro em carbono

Pesquisadores desenvolveram um aparelho autônomo capaz de converter a luz solar, dióxido de carbono (CO2) e água em um combustível neutro em carbono, sem a necessidade de nenhum componente adicional, nem mesmo eletricidade.

O reator representa um passo significativo para chegar à fotossíntese artificial, um processo que imita a capacidade das plantas de converter a luz solar em energia.

Usar energia solar para converter dióxido de carbono em combustível é uma maneira promissora de reduzir as emissões de carbono e substituir os combustíveis fósseis. No entanto, tem-se mostrado difícil produzir esses combustíveis limpos sem subprodutos indesejados.

Quem descobriu um caminho para isso foi a pesquisadora Qian Wang, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Wang construiu uma espécie de “folha artificial”, uma pequena placa que coleta a energia solar e a utiliza para converter CO2 e água em oxigênio e ácido fórmico – um combustível armazenável que pode ser usado diretamente ou convertido em hidrogênio.

É uma técnica nova e que, segundo a equipe, tem potencial para ser escalonada, podendo ser usada em “fazendas de energia” semelhantes às fazendas solares, produzindo combustível limpo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email