Nova espécie de primata é descoberta no extremo Norte do Estado do Amazonas

Uma nova espécie de sagui –primata de pequeno porte– foi identificada na Amazônia. Trata-se do Saguinus Fuscicollis Mura. Também denominada de sauim-dos-índios-mura pelos cientistas, a espécie foi descrita recentemente e é endêmica de uma área de floresta de terra firme situada entre os rios Madeira e Purus, no Amazonas. A descoberta ocorreu durante expedição promovida pela Rede Geoma, em 2007, e se constitui em mais uma peça do intrincado quebra-cabeças sobre a evolução da diversidade biológica da maior floresta tropical do planeta.
Animado com a descoberta, o pesquisador José de Sousa e Silva Júnior, do Museu Emílio Goeldi, de Belém (PA), espera encontrar ainda novas espécies de primatas nessa região. Silva Júnior é responsável pela descrição da nova espécie, cujo resultado do trabalho foi publicado no International Journal of Primatology, em junho.
O Saguinus Fuscicollis Mura pesa aproximadamente 300 gramas e mede pouco mais de 50 centímetros de comprimento, incluindo a cauda. A espécie foi encontrada no extremo Norte da região situada entre os rios Madeira e Purus, ao sul do rio Amazonas. O pequeno primata apresenta pelagem marrom escura e sela mosqueada de ocre e marrom quase negro. A cauda é negra e o ventre marrom avermelhado. “A espécie não apresenta sobrancelha branca, característica observada em alguns táxons do grupo, como o S. F. Primitivus e o S. F. Weddelli”, observou o pesquisador Fabio Röhe, da WCS (Wildlife Conservation Society), outro cientista envolvido na descoberta. “Eles ocorrem em grupos pequenos, em torno de cinco a seis indivíduos”, explicou.
A espécie pertence ao grupo dos sagüis, macacos de pequeno porte, com unhas modificadas em forma de garras, que se alimentam de frutos e insetos. Outra característica interessante dessa família é que as fêmeas geralmente têm gêmeos. “O gênero Saguinus é o que apresenta maior número de espécies na região Neotropical. Ele ocorre em toda a Amazônia, exceto entre os rios Tapajós e Xingu”, informou José de Sousa e Silva Júnior. Segundo o pesquisador, os primatas da Amazônia apresentam distribuição delimitada pelos rios. “Ao longo do tempo, os grupos foram se diferenciando e novas espécies foram surgindo”, destacou.
No caso do S. F. Mura as diferenças externas em relação às espécies irmãs, como S. F. Weddelli e S. F. Avilapiresi, que habitam regiões próximas, facilitaram o trabalho dos cientistas, que compararam suas medidas cranianas e características de pelagem com outras espécies do mesmo grupo. “A primeira característica que distingue os primatas é a cor da pelagem. É assim que eles começam a se diferenciar”, explicou Silva Júnior. “Outras espécies apresentam diferenças mais sutis, o que requer a utilização de ferramentas mais sofisticadas, como a Biologia Molecular, que permite analisar as relações de parentesco através da análise do DNA”, acrescentou.

Animais já enfrentam ameaça de extinção

Fabio Röhe explicou que a descrição de novas espécies de primatas na Amazônia é relativamente frequente, com taxa média de uma nova espécie descoberta por ano, desde a década de 1980. “Acessar áreas nunca antes amostradas geralmente traz novas espécies ao grupo de primatas. A principal lição a ser aprendida com a descoberta é que, a exemplo do que pode ter ocorrido na Mata Atlântica, várias espécies podem ser extintas antes mesmo de serem conhecidas pela ciência”, frisou.
A descoberta chama a atenção também para o desconhecimento taxonômico e geográfico desse grupo biológico. “O grupo de espécies ao qual pertence S. F. Mura é pouco estudado e ainda apresenta muitas lacunas”, afirmou Röhe. “Também mostra o nosso desconhecimento sobre o bioma amazônico, já que essa nova espécie foi coletada a menos de 100 quilômetros de Manaus”, emendou.
O pesquisador considera seu trabalho na Amazônia como levantar peças de um imenso quebra-cabeça Ele atualmente está descrevendo outras espécies de primatas encontradas em Rondônia: duas do gênero Mico, que habitam as margens esquerda (Mico Rondoni) e direita (M. Ssp.) do rio Ji-Paraná. Uma terceira espécie, do mesmo gênero, foi encontrada no Vale do Guaporé. A descoberta ainda está sendo investigada pelo cientista.
A espécie recém descoberta no Amazonas já enfrenta uma série de ameaças à sua sobrevivência. A primeira delas é a destruição da floresta, em virtude da construção do gasoduto Urucu-Porto Velho e das usinas hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira. A segunda ameaça é a pavimentação da rodovia BR-319, no trecho entre Manaus e Porto Velho. Essas obras devem afetar consideravelmente o equilíbrio dos ecossistemas da região.
Para Fábio Röhe, as ameaças vão aumentar se “o governo brasileiro insistir em negligenciar a conservação da biodiversidade e dos sistemas naturais”. Segundo o pesquisador, o Brasil é, talvez, o único país do mundo com condições ambientais para promover um desenvolvimento diferenciado, se for capaz de respeitar organismos que custaram milhões de anos para se tornar criaturas fascinantes e fundamentais para a sobrevivência saudável do planeta. Os cientistas acreditam que os sauins-dos-índios-mura, futuramente confinados a pequenas manchas florestais, serão extintos nos próximos 50 anos.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email