19 de abril de 2021

Norte registra maior aumento no nível de emprego na construção civil do país

A região Norte fechou 2007 com o maior aumento proporcional no nível de emprego da construção civil do país.

A região Norte fechou 2007 com o maior aumento proporcional no nível de emprego da construção civil do país. Segundo levantamento do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) e da FGV Projetos, com base nos dados do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), a região registrou alta de 21,2% na contratação de trabalhadores do setor, número acima da média nacional.
Com esse desempenho, o Norte encerrou o ano com estoque de 87,6 mil contratados formais na construção civil. Nem mesmo a variação negativa de 4,8% em dezembro, em relação a novembro, foi capaz de prejudicar o bom resultado garantido pelos desempenhos dos Estados de Tocantins (+61,7%), Roraima (+41,3%) e Amazonas (+33,7%), apontados como principais destaques na região.
No resto do país, o nível de emprego da indústria da construção civil registrou alta recorde de 13,3% em 2007, a maior desde 1995, quando o estudo começou a ser calculado pelo SindusCon-SP.

Variação
negativa

Apesar de praticamente todos os Estados terem apresentado variação negativa em dezembro, devido a sazonalidade do setor –a maioria das obras são concluídas em dezembro e também é o início do período de chuvas, o que diminui o ritmo de contratações –o bom desempenho ao longo do ano foi suficiente para a construção civil liderar os índices de geração de empregos dentre todos os setores da economia brasileira. No mês, o nível de emprego caiu 1,5% no setor, comparado a novembro.

Resultado
positivo

No entanto, no fechamento de 2007, o resultado é totalmente positivo. Em números absolutos, em todo o Brasil, foram criados 206,6 mil empregos formais, formando um estoque de 1,7 milhão de trabalhadores na indústria da construção civil. A maior parte da mão-de-obra empregada no país continua no Estado de São Paulo, que detém 507,1 mil dos contratados.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email