Nokia lança smartphone com sistema MeeGo

O presidente-executivo da Nokia, Stephen Elop, revelou ontem o novo celular inteligente acionado por um sistema operacional que a companhia pretende abandonar, decisão a qual, segundo analistas, vai condenar o novo modelo à obscuridade.
Antes líder inconteste no setor telefones celulares, a Nokia perdeu terreno rapidamente no mercado de smartphones diante do Iphone, da Apple, e dos aparelhos equipados com o sistema operacional Android, do Google. Além disso, na ponta mais barata do mercado, a Nokia está perdendo clientes para rivais asiáticos como a chinesa ZTE e a indiana Micromax.
Durante uma conferência de telecomunicações em Cingapura, Elop reiterou que a Nokia lançaria seu primeiro celular inteligente acionado pela plataforma Windows, da Microsoft, ainda este ano, na mesma apresentação em que revelou o celular inteligente N9, que utiliza um sistema operacional chamado MeeGo.
O modelo –primeiro e último que a empresa lançará com este sistema operacional– conta com tela que cobre toda a superfície do aparelho e com comando sensível ao toque.

Plataforma divergente

“Parece sem fundamento lançar um aparelho como o N9 com uma plataforma que foi descartada pela direção da empresa,” afirmou o analista do RBS em Londres, Didier Scemama, em nota de pesquisa.
Elop afirmou que o N9 era parte do esforço da Nokia para introduzir “uma experiência emocionante em termos de interface, design industrial e plataforma para programadores”.
“Nossa estratégia primária para smartphones terá foco nos modelos equipados com Windows,” disse Elop, que trocou a Microsoft pela Nokia no ano passado.
“Tenho confiança de que lançaremos nosso primeiro modelo com a plataforma Windows neste ano, e que começaremos a embarcar grande volume desses produtos em 2012,” disse.
A plataforma MeeGo –novidade em um mercado dominado por Apple e Google– surgiu em fevereiro de 2010, combinação do software Linux Maemo, da Nokia, com o Moblin, da Intel, também baseado no software de fonte aberta Linux. A Nokia abandonou o projeto há quatro meses.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email