8 de dezembro de 2021

No mundo dos vinhos, tamanho é documento. Vai por mim

“Se vinho não é a resposta, a pergunta está errada”

Já notou que as garrafas dos teus vinhos têm design e cor diferentes?  O resumo histórico do formato das garrafas modernas é o seguinte. Bem antes da invenção do vidro, o vinho era armazenado em barris. Aí veio a invenção pelos sírios do vidro soprado e a garrafa foi materializada. Pronto, foi isso que aconteceu.

Na era moderna a produção de garrafas em massa gerou à necessidade da definição de um padrão para a garrafa. Então, os franceses da região de Bordeaux criaram a garrafa Bordalesa de 750 ml que foi guindada ao posto padrão mundial. Tem o bojo com formato mais cilíndrico, ombros acentuados e pescoço de tamanho padrão. É o modelo mais comum de garrafa de vinho encontrada nas prateleiras, gondolas, e racks de adegas, bares, restaurantes, e supermercados do mundo inteiro.

Uma das responsabilidades do enólogo lá na vinícola é decidir qual será o formato das garrafas que serão utilizadas para engarrafamento dos vinhos de cada safra. Ele tem à sua disposição para fazer essa escolha, além da garrafa Bordalesa que já citei, os seguintes modelos:

A Garrafa Renana – Criada e muito utilizada na região da Europa Central, é uma garrafa de bojo mais alongado, ombros largos e maior em comprimento que as garrafas tradicionais.

A Garrafa Borgonha – Foi criada no século 19 na região da Borgonha na França, e tem um formato mais robusto. É utilizada com mais frequência para os vinhos das variedades Pinot Noir e Chardonnay.

A Garrafa do Vinho do Porto – Foi desenvolvida em Portugal para preservar os vinhos do Porto. É uma garrafa mais baixa que as tradicionais, porém com ombros mais acentuados.

A Garrafa Alsácia – Foi criada especialmente para os vinhos da casta branca alemã Riesling, mas hoje, também é utilizada para os vinhos da cepa Gewurztraminer, também alemã.

Garrafa do Champagne e Espumante – É a garrafa mais clássica criada na região de Champagne na França. Essas garrafas carregam estrelas em forma de borbulhas dentro de si e também são as estrelas “trés chic” do mundo dos nobres fermentados. Possuem uma estrutura mais espessa para segurar a pressão interna do gás carbônico, já que no método tradicional, a segunda fermentação é realizada dentro da garrafa, com a adição de açúcar e leveduras.

A Garrafa Rhône – Foi criada na região do Côtes du Rhône. Ela tem o design similar ao da garrafa Borgonha, porém é um pouco mais fina e com os ombros mais angulares. É utilizada em vinhos das uvas Grenache, Mourvèdre e Syrah.

Sobre as cores das garrafas de vinho acho importante mencionar que para grande maioria é priorizado o uso de vidros transparentes ou verde escuro, mas é possível também encontrar algumas com a coloração marrom.

A escolha das cores é influenciada pela necessidade de proteger a bebida da ação da luz solar ou da iluminação artificial. Por isso, os vinhos tintos, que são mais prejudicados por essa influência, tradicionalmente, vêm em garrafas de vidro verde escuro ou marrom.

Os vinhos brancos e rosés, por sua vez, são vinhos de consumo rápido e sofrem pouca influência da ação da luz em seu sabor e aroma. Por isso, são tradicionalmente agasalhados em garrafas transparentes 

Conclusão final –  acho que deu pra perceber que quando falamos em garrafas de vinhos, tamanho é documento, sim senhor! 

Confere aí os diferentes tamanhos das ampolas dos teus saborosos Sucos da Bíblia:

Baby ou Split 1/4, Demi ou Meia Garrafa 375 ml, Bordalesa Standard 750 ml, Magnum 1,5L, Double Magnum 3L,  Jeroboão 4,5L, Imperial ou Matusalém 6 L, Salmanazar 9L, Baltazar 12 L , Nabucodonosor 15 L, Salomão ou Melchior ( em homenagem a um dos três Reis Magos) 18 L,  Midas, o maior formato de todas as garrafas de vinhos (em referência ao personagem mitológico que transformava em ouro tudo que tocava) ou Melquisedeque 30 L.

Minha Dica – No caso das garrafas com rolha, é recomendado que sejam guardadas em posição deitada. A garrafa conservada em pé, com o tempo, a cortiça pode ressecar e facilitar a passagem de ar, prejudicando a integridade do vinho, e muitas vezes fazendo com que se torne vinagre. Com relação ao local de guarda, esconde as ampolas divinas em um ambiente sem luz, com temperaturas constantes e mais baixas, sem tremores ou muito barulho, pois o vinho precisa de muita paz quando estiver dormindo e evoluindo pra ti. Caso tu não tenhas uma adega climatizada, coloca na despensa ou um armário mais isolado. Em último caso, armazena as tuas preciosas de vinhos, perto do lugar onde o gato dorme, o mais úmido da casa.

Curiosidade – Havia uma crença antiga de que o furo no fundo da garrafa determinava a qualidade do vinho. Quanto mais côncavo, melhor seria a bebida engarrafada. Nada a ver!  Segundo os especialistas, muitas vinícolas usam o tamanho do furo como forma de facilitar a escolha do consumidor. Um produtor que faz vinhos Reserva e Gran Reserva, estabelece como diferencial que o furo seja um pouco maior a cada garrafa. Agora atenção para este detalhe importante, os vinhos utilitários  e aqueles com a palavra “Reservado” no rótulo, não têm furo no fundo da garrafa.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email