1 de julho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Multicultura e nostalgia no Casarão

O Centro de Manaus está ficando cada vez mais vazio de moradores. Andando pelas ruas e ruelas o que mais se vê são placas de ‘vende-se’ e ‘aluga-se’ na frente das casas. Lugares, há poucas décadas, cheios de moradores e vidas, de dia e principalmente à noite, agora, mais parecem uma cidade fantasma. Mas um empreendedor luta contra essa mudança dos tempos e tenta fazer com que a rua onde mora e trabalha, a rua Barroso, permaneça viva e alegre, e respirando cultura.

João Fernandes é cearense, de Crateús, e mora há 19 anos em Manaus. Em 2010 ele concretizou o Casarão de Idéias, um centro cultural, lugar de criação, elaboração e execução de todas as artes. Antes instalado num casarão secular, na rua Monsenhor Coutinho, em 2017 João Fernandes transferiu o empreendimento para outro casarão secular, na rua Barroso, e não só o trouxe junto como começou a idealizar benefícios para toda a extensão da rua que está localizada entre a avenida Sete de Setembro e a rua José Clemente.

“Em 2019, mandei grafitar os muros, no outro lado da rua, em frente ao Casarão, e estão nos planos, ainda este ano, novos grafites em mais muros da mesma forma abandonados, sujos e sem vida”, adiantou.

“Um projeto mais ousado, agora, é restaurar o prédio onde funcionou a Casa do Estudante, abandonado há 15 anos, aqui próximo. Ao lado do prédio existe um terreno, tudo de propriedade da Ufam. Os universitários do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Ufam já vieram até o Casarão me apresentar os esboços do que estão pensando para o prédio e o terreno”, completou.  

Sucesso do Cine Casarão

Em setembro de 2017, João Fernandes inaugurou uma novidade no Centro, o Cine Casarão. A última sala de cinema do Centro, o Cine Premiere, havia fechado as portas, em definitivo, em 2012. Com o novo espaço, João também acompanhou os novos tempos abrindo uma sala pocket, com capacidade para até 35 pessoas. Detalhe para os saudosistas: as cadeiras do Cine Casarão pertenceram ao Cine Vitória, que ficava no Educandos, e foram compradas por João na OLX. Agora, dia 1º de maio, irá fazer 49 anos do fechamento definitivo do Cine Vitória, em 1973, depois de funcionar por 19 anos, desde 11 de dezembro de 1954.

O Cine Casarão exibe filmes de quinta-feira a domingo, à tarde, filmes de arte, aqueles produzidos sem a intenção de lucro. O destaque mais recente foi ‘Doraibu mai kā’, produção japonesa, ganhador do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

“Temos tido um bom público. Algumas sessões chegam a esgotar antes da estréia do filme. Trata-se de um público seleto, intelectualizado, que não assiste a qualquer tipo de filme”, destacou.

E se os cinemas de antigamente tinham uma recepção onde ficavam vitrines cheias de chicletes e bombons, na ante-sala do Cine Casarão há um café onde são disponibilizados bolos, doces, salgados, cervejas, petiscos e vinhos. Para completar o clima romântico, a decoração é totalmente com motivos cinematográficos, sem falar que o café é cercado por estantes repletas de vinis, DVDs e livros que podem ser lidos pelos clientes enquanto degustam os quitutes do café e aguardam iniciar a projeção do filme.

Espaço gastronômico

Num dos espaços do Casarão funciona a sala de espetáculos multiuso onde acontecem exposições das mais variadas, e lançamentos de livros. Os eventos mais recentes foram o lançamento do livro de Paulinho Kokay, e duas recitas de Stabat Mater, preces católicas do século 13.  

Na semana passada, 15, o Casarão de Ideias inaugurou mais uma novidade, agora gastronômica, o Jardim de Roselle, localizado no terraço do prédio histórico.

“Acreditamos e incentivamos a parte econômica da cultura, e a gastronomia faz parte da cultura. Por meio dela, podemos vivenciar inúmeras experiências culturais. Então, agora, o Casarão também possui um espaço gastronômico para agregar ainda mais valor ao Centro de Manaus”, explicou.

O nome do local é uma homenagem a Roselle Franco de Sá, que morou no prédio onde está o Casarão, e era apaixonada por flores e plantas. O funcionamento, inicialmente, será de quarta-feira a domingo, sempre das 16h às 22h.

O cardápio do Jardim Roselle foi criado pelo conceituado chef amazonense Babu Loureiro e a carta de drinques é assinada pelo maître Isaac Araújo. São dez pratos, alguns veganos. Dentre os destaques está o taco de pato com banana pacovã em redução de tucupi no mel. Já na carta de drinques, uma das pedidas é o ‘Chá das 5’, que utiliza um gim produzido em Manaus e conta com uma infusão de chá de especiarias.

“Nossa intenção é cada vez mais levar os manauaras ao Centro, e oferecer opções de entretenimento aos turistas que aqui chegam. Quanto mais pudermos movimentar a cultura do nosso Estado, mais vamos fazê-lo”, finalizou.

O Casarão de Ideias abre suas portas de quarta-feira a domingo, das 15h às 20h30. A entrada é gratuita, mas para o Cine são vendidos ingressos. Informações: 3363-4008.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email