19 de abril de 2021

‘Mulheres que cantam’ é empoderamento

Historicamente, a supremacia masculina está presente nos mais diversos cenários da sociedade. No universo musical, o cantor e compositor Eliberto Barroncas propõe a ruptura dessa lógica por meio do projeto “Mulheres que cantam”, que elegeu dez mulheres de vários segmentos da arte para interpretar músicas inéditas, inspiradas na poética do universo feminino. 

O projeto, que resultará em um CD, foi contemplado no Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais com recursos da Lei Aldir Blanc, da ManausCult (Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos), e está em estúdio, em fase de mixagem e finalização. 

Dez mulheres foram convidadas para interpretar dez canções inéditas produzidas pela parceria de Eliberto e Adalberto Holanda, ambos compositores. As músicas nasceram ao longo dos últimos 15 anos e foram feitas para momentos pontuais, mas não chegaram a ser lançadas. De acordo com Eliberto Barroncas, as canções ressaltam, essencialmente, o poético feminino, exaltando a vida em todos os sentidos.

As cantoras Enna Carvalho, Edilene Farias, Guerline Richard, Suzana Cláudia Freitas, intérpretes mais próximas da Música Popular Brasileira e Amazônica, além da cantora Daniela Nascimento, que atua também no segmento de Rock e composições autorais, soltam a voz ao lado de outros nomes como a soprano Izabel Barros, a atriz e produtora cultural Carol Sant’Ana, a biblioteconomista Railda Vitor, com experiência em artes e cultura popular, a artista plástica Eliana Chaves e a artesã Dora Moreira. 

Eliberto Barroncas explica que a opção por eleger mulheres do cenário local foi feita a partir do conceito de fazer valer a identidade de cada uma, conferindo veracidade e autenticidade à letra e melodia, assegurando “a força do canto como afirmação no mundo”.

Escritora e artista plástica amazonenses lançam e-book infantil

Foto: Divulgação

A curiosidade de uma menina ribeirinha do Amazonas, de apenas 6 anos de idade, que se perde na floresta e lembra de um ensinamento da mãe para encontrar o caminho de casa. A sinopse é do livro infantil “Deu medo…”, da escritora Elissa Yoshida, com ilustrações da artista plástica Rejane Castro. Indicado para crianças de 5 a 10 anos, o livro está disponível na Amazon, com versões em inglês e português. 

“Tive a ideia de criar essa história para minha filha na hora de dormir e, assim, surgiu a menina ribeirinha curiosa, que protagoniza o livro”,  diz Elissa, que além de mãe e escritora, é aluna do curso de pedagogia.

A autora ressalta, ainda, que a obra carrega uma mensagem importante por trás da história. “Guardar com carinho os ensinamentos de nossos pais, pois isso faz toda a diferença para que Potira, a protagonista, consiga encontrar o caminho de volta pra casa”.

O livro conta com ilustrações da artista plástica Rejane Melo, que já teve obras expostas nas cidades de Paris e Dubai. Segundo a ilustradora, por ser uma obra tão cativante, não houve como não mergulhar na tarefa. “Comecei a pesquisar as paisagens, fotos e então resolvi colocar a mão na massa”, comenta.

Saiba mais sobre o livro aqui: http://bit.ly/deumedoebook

‘Cantos da Beira’ de Alaídenegão já nas plataformas digitais

Foto: Divulgação

A banda Alaídenegão faz 13 anos e lança o terceiro álbum, “Cantos da Beira”, que chega às principais plataformas digitais nesta segunda-feira (15). O projeto foi contemplado no Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais, da ManausCult (Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos), por meio da lei nº 14.017/2020, conhecida como Lei Aldir Blanc. O álbum conta com oito músicas novas e três versões em um passeio por diferentes estilos, característica da banda amazonense, que, desta vez, traz “Areia”, de Neuber Uchôa; em tom de reggae com carimbó, “Sereia”, de Exomar Pacheco; na levada de samba, e “Xangô”, de Magalhães da Guitarra; numa mistura de beiradão com rock.

Produção

Gravado entre novembro e dezembro de 2020, o álbum tem as participações especiais de músicos como Igor Brasil (percussões em “Areia” e “Sereia”), Francirley Sampaio (trombone em “Areia”), Christofer da Silva (saxofone em “Areia”), Lúcio Bezerra (teclado em “Areia”), Markito Rock (trompete em “Cordeiro”) e Neuber Uchôa, que dividiu os vocais com Davi Escobar em “Areia”, enquanto a artista plástica Rakel Caminha assina a capa do disco.

WEB+

  • Ivete Sangalo e Cláudia Leitte se unem em live de Carnaval
Foto: Divulgação

A live conjunta de Claudia Leitte e Ivete Sangalo será especial! Além de levar a folia para dentro da casa das pessoas em um Carnaval bem diferente em plena pandemia, elas vão também apostar na solidariedade e reverter os lucros para instituições beneficentes escolhidas por elas mesmas: Quabales e Amigos do Bem.

Assim como na maioria das lives que aconteciam durante o início da pandemia, haverá QR na tela para que o público doe para as instituições. Vai ter folia, com segurança e fazendo o bem! Que coisa boa!

A live é intitulada “O Trio: Ivete, Claudia e você” e acontecerá em 13 de fevereiro, às 17h30, diretamente da Bahia.

  • Maria Bethânia faz sua primeira live
Foto: Divulgação

Chegou a hora. Não dá mais para segurar. Após um ano de pandemia, a cantora Maria Bethânia se juntará ao ’bloco das lives’, neste sábado (13), data que marca seus 56 anos de carreira. A transmissão acontece pelo Globoplay, a partir das 22h, com sinal aberto para não assinantes.O show vai acontecer na Cidade das Artes, no Rio, sem a presença de plateia e sem convidados. 

A cantora era uma das únicas que não tinha se rendido às lives, formato que ficou muito popular em 2020 por conta da pandemia de Covid-19. 

Além de grandes sucessos como “Olhos nos olhos” e “Explode coração”, sambas de roda e músicas inéditas do próximo disco estarão no repertório do show.

  • Taylor Swift lança remake de ‘Love Story’
Taylor lança novamente seu grande sucesso
Em guerra com antiga gravadora, Taylor começa a relançar seus hits
Foto: Divulgação

Com Taylor Swift é assim: promessa é dívida. E ela começou a cumprir o que tinha prometido: o lançamento das regravações de seus primeiros 5 álbuns. Para isso, ela escolheu o segundo álbum de sua discografia, o “Fearless”, iniciando com a chegada da nova versão da música “Love Story”. 

Regravar os seus 5 primeiros álbuns foi uma maneira que Taylor encontrou de virar o jogo e pegar de volta os direitos de suas próprias músicas. Os direitos ficaram com a sua antiga gravadora, a Big Machine Records, comprada pelo desafeto Scooter Braun

O lançamento de “Love Story (Taylor’s Version)” não podia ser mais propício: a música chega no fim de semana do Valentine’s Day, o Dia dos Namorados nos Estados Unidos.

  • Hashtags mais quentes

1 #Carnaval: as pessoas estão lamentando a falta da festa brasileira 

2 #Anitta: cantora anunciou reality próprio em uma ilha

3 #Patombá: Karol Conká segue polemizando no BBB e virando assunto na timeline

4 #Pazuello: ministro foi chamado no Senado para prestar esclarecimentos 

5 #BC: autonomia do BC foi debatido amplamente nas redes sociais

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email