Mulheres dominam em programa

A quarta edição do  programa de Aceleração Itaú Mulher Empreendedora, realizada em parceria com a DIVER.SSA e que tem como objetivo impulsionar as mulheres a mudar o mundo por meio de negócios com alto potencial de transformação socioambiental, recebeu número recorde de microempreendedoras do Norte e Nordeste interessadas em participar da iniciativa. Ao todo, 72,7% das inscritas são dessas regiões. E dentre as participantes, 83,2% se autodeclaram negras e indígenas.

Com um total de 286 inscrições, 30 negócios femininos foram selecionados para a próxima fase, o Acolhimento Estratégico, metodologia desenvolvida pela DIVER.SSA, que tem seis dias de duração e conta com 13 horas de capacitação sobre empreendedorismo, gestão jurídica e ambiente digital. Ao final dessa etapa, 10 empreendedoras serão selecionadas e seguem para a etapa de mentoria, prevista para o início de janeiro. Ao final do programa, cinco donas de negócio serão as finalistas, recebendo R$ 10 mil em investimento semente.

O projeto busca fortalecer e acolher empreendedoras com os mais diversos perfis e contextos interculturais, pautado nos pilares de autoconhecimento, autoconfiança e autogestão, com  apoio financeiro e técnico da International Finance Corporation (IFC), organização do Grupo Banco Mundial. O processo de inscrição foi aberto a mulheres de todo o Brasil e, nesta quarta edição, foram priorizados aqueles negócios liderados por mulheres, negras, indígenas e LBTs (lésbicas, bissexuais e transexuais) das regiões Norte e Nordeste. 

A resposta ao Edital foi muito alta e estamos muito felizes com a qualidade das centenas de empreendedoras interessadas em participar do acolhimento estratégico. A diversidade da natureza de negócios inscritos é um reflexo da diversidade de mulheres que ousaram empreender nas regiões menos assistidas do nosso país”, diz Ítala Herta, fundadora da DIVER.SSA. “Esta edição já é um sucesso só por ter alcançado todas essas mulheres. Esperamos fazer a diferença na vida de todas elas”, conclui.

“Estamos muito animados por ter alcançado uma representatividade recorde de negócios do Norte e Nordeste, praticamente 73% das mulheres empreendedoras inscritas. Promover conhecimento, empoderamento, inclusão e independência financeira nessas regiões, onde as mulheres são mais vulneráveis, potencializa o impacto social ali gerado de forma muito positiva”, comenta Luciana Nicola, superintendente de Relações Institucionais, Sustentabilidade e Negócios Inclusivos do Itaú Unibanco.

O programa completo de aceleração, que anunciou os nomes das 30 empreendedoras selecionadas no dia 30 de novembro, tem duração de três meses, conforme cronograma disponível no site: diverssa.org/itaumulherempreendedora/.

Para Rogério Santos, executivo da IFC responsável por Instituições Financeiras no Brasil e no Cone Sul, “promover a questão de gênero” é tema central na estratégia da IFC para estimular o desenvolvimento socioeconômico no Brasil. Esse programa de Aceleração Itaú Mulher Empreendedora é uma peça importante para cumprirmos esse propósito, e ajudarmos a impulsionar o potencial transformador das empreendedoras negras e indígenas no Brasil”. 

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email