MTur libera Turismo de Natureza para visitação no AM

Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), atualmente, 142 Unidades de Conservação (UC’s) estão recebendo turistas, sendo 63 na Região Norte, 18 no Sul, 9 no Centro-Oeste, 20 no Sudeste e 32 no Nordeste. No Amazonas ao todo 10 unidades estão disponiveis para receber turistas, são elas: Floresta Nacional de Tefé; Floresta Nacional do Purus; Parque Nacional do Jaú; Parque Nacional de Anavilhanas; Reserva Extrativista do Lago do Capanã Grande; Reserva Extrativista do Lago do Capanã Grande; Reserva Extrativista do Baixo Juruá; Reserva Extrativista Auatí-Paraná; Reserva Extrativista do Rio Jutaí; Área de Relevante Interesse Ecológico Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais; Reserva Extrativista do Rio Unini (fechado até o dia 11 de janeiro)

Em julho, para colocar o segmento em evidência no país, o Ministério do Turismo lançou a Campanha Turismo em Natureza, com o slogan “Viaje pelo Brasil. Gigante pela própria natureza” impulsionando o crecimento do turismo de natureza nas UC’s. “Opções não faltam para os nossos turistas! O Brasil é único em atrativos naturais e os brasileiros precisam conhecer melhor todas as nossas belezas. Para melhorar a experiência do turista nestes atrativos estamos trabalhando na concessão de parques, na qualificação de profissionais do setor e na estruturação de trilhas de longo curso, tudo para atrair cada vez mais visitantes”, ressaltou o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.

O Brasil, como o 2º país do mundo em atrativos naturais, segundo o Fórum Econômico Mundial, oferece diversas opções para quem deseja se reconectar com a natureza. Atrativos oferecem opção segura de lazer e fortalecem o turismo de natureza como grande tendência do pós-pandemia. O turismo de natureza é um dos protagonistas na retomada das atividades do setor e deve despontar na preferência dos brasileiros para viagens e passeios dentro de seus estados ou estados vizinhos.  

Em 2020, as Unidades de Conservação do Brasil registraram 8,4 milhões de visitas durante o período de cerca de seis meses em que as atividades desses locais foram restabelecidas, a partir da flexibilização das restrições impostas pela pandemia de Covid-19. O ICMBio reabriu os espaços com base na adoção de protocolos de biossegurança, que continuam sendo aplicados em unidades de todo o Brasil. Entre elas estão a redução da capacidade de público, a obrigatoriedade do uso de máscara e a priorização de vendas online de ingressos.

Descompasso no AM

O turismo de natureza é uma das principais apostas para impulsionar a recuperação do setor em todo o mundo. Aqui no Amazonas existem opções para todos os gostos, mas o tema não é visto com prioridade pelo governo estadual,  deixando a desejar a tão esperada retomada turística no país. O novo decreto do Governador do Estado, Wilson Lima, começou a ser cumprido desde o dia 09/08. Embora o Ministério do Turismo tenha liberado, o governador decidiu restringir a visitação para contemplação de atrativos naturais fluviais ou terrestre, desde que essas UC’s exijam dos turistas o teste negativo  para Covid, causando prejuizos incalculáveis para o setor.

Passa a ser obrigatório apresentar teste RT-PCR negativo para Covid-19 e comprovante de vacinação para hospedagem em hotéis de selva, similares e em comunidades tradicionais, enquanto os Balneários estarão liberados para funcionar entre  7h e as 18h. O comitê definiu que os Restaurantes, bares, lanchonetes e similares, podem funcionar com acapacidade máxima de ocupação em 75%. As brinquedotecas e espaços similares estarão autorizadas a abrirem totalmente.

O Fórum de Turismo de Base Comunitária do Rio Negro realizou no dia 06 de agosto, a 59a. Reunião em em ambiente virtual  e na pauta foi discutido as atividades do projeto Rotas e Pegadas (LIRA), Caminhos do Rio Negro e suas trilhas, Foi elaborado um Plano de Gestão da RDS Piranga Conquista e a revisão do Plano de Gestão d PAREST Rio Negro Setor Sul. O principal objetivo dos participantes do Forum TBC foi avaliar, dialogar e cobrar dos governantes estaduais e municipais as boas práticas do turismo comunitário, bem como a retomada das atividades de visitação nas comunidades que formam o Mosaico do Turismo de Base Comunitária do Rio Negro.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email