No dia do Meio Ambiente, Moto Honda planta mil mudas

Em meio a boa notícia de aceleração do crescimento industrial brasileiro no mês de maio, a Moto Honda da Amazônia comemorou o Dia do Meio Ambiente. A iniciativa “Plantando o Futuro” tem o objetivo de reforçar a consciência de preservação ambiental e propagar a cultura de plantio de árvores à sociedade amazonense, além de incentivar os colaboradores a disseminar a ideia. Inicialmente serão plantadas mil mudas de plantas como açaí, castanheira e ipê-roxo, no estado. A ação faz parte da estratégia de sustentabilidade da empresa que atualmente gera mais de 100 mil empregos diretos e indiretos.

As mudas serão plantadas no terreno da fábrica e serão distribuídas entre os colaboradores com o objetivo de incentivar e disseminar a ideia de preservação e cuidado com o meio ambiente. E de acordo com o vice-presidente industrial da Moto Honda da Amazônia, Julio Koga, a ação faz parte da estratégia de sustentabilidade da empresa, que fundamenta a gestão da sustentabilidade como um dos compromissos prioritários, que permeiam seus processos de decisão e operação. 

“Esse projeto tem o objetivo de atuar na educação ambiental das pessoas. Estamos envolvendo nossos colaboradores. A sustentabilidade é fundamental para a sobrevivência da empresa. Hoje a sustentabilidade está inserida dentro das estratégias da empresa. É preciso conciliar o desenvolvimento econômico com a questão da sustentabilidade do meio ambiente”, disse.

Ação em longa escala

Na cidade de Rio Preto da Eva, a empresa mantém uma área de 1.002 hectares com  projeto de reflorestamento de árvores ameaçadas em extinção e uma área de plantio de frutas e hortaliças. Os alimentos resultantes destes plantios são doados às entidades sociais e  as hortaliças como alface e rúcula abastecem os restaurantes da Moto Honda. Além desse projeto, a empresa  possui outras ações em prol do meio ambiente, como a criação do primeiro Laboratório de Emissões de motocicletas da América Latina, na fábrica de Manaus. E  por meio das iniciativas de reflorestamento e áreas de reserva de mais de 800 hectares, a fábrica possui a capacidade de neutralizar cerca de 480 toneladas de carbono ao ano. 

A redução do consumo de energia elétrica é outro programa da empresa que se destaca, com a utilização de iluminação natural, substituição de lâmpadas de baixa eficiência por LED e instalação de sensores de presença.

A Honda também preserva nascentes de água doce e espécies nativas da fauna e flora ameaçadas de extinção no Projeto Agrícola e na Reserva Particular do Patrimônio Natural. Na fábrica de motocicletas, a água da chuva é reutilizada nos banheiros gerando uma economia média de 800 mil litros/mês, que em volume, equivale em média o consumo diário de 230 pessoas. Desde 2001 a empresa possui uma ETE (Estação de Tratamento de Efluentes) com capacidade de tratamento de 75 milhões de litros ao mês, equivalente em média o consumo de uma cidade com população de até 30 mil habitantes. Além disso, a água do processo de geração de ar comprimido é coletada em uma cisterna e reaproveitada na refrigeração de processos produtivos, gerando uma economia de cerca de 700 mil litros ao ano.

Otimismo na produção

Na ocasião, o vice-presidente Júlio Koga, se mostrou bastante otimista com o bom desempenho da economia brasileira no mês de maio e vislumbrou meses positivos para o processo produtivo de motocicletas. Segundo uma pesquisa do PMI (Índice de Gerentes de Compras), divulgados na última terça-feira (1),  que o aumento da produção e das vendas em maio, marcaram a aceleração do crescimento da indústria brasileira.

“Esse bom desempenho contribui muito para a economia de forma geral, com geração de mais empregos e na ajuda de diversos setores com o aumento do consumo. No setor de bicicleta o mercado teve uma recuperação muito acima das nossas expectativas. Com a demanda de serviços por aplicativos de delivery a procura por motocicleta cresceu bastante, exigindo o aumento na produção. Algumas pessoas viram no segmento de entregas uma oportunidade de trabalhar. O uso da motocicleta tem contribuído muito com a sociedade na época da pandemia. Mesmo com a produção de motos reduzida, as vendas de motocicletas continuam, isso nos obrigou a montar estratégias para abastecer o mercado”, disse.

Com a necessidade de se reinventar a cada dia à nova realidade pandêmica, a empresa fez readequação de seu sistema produtivo com a meta de manter a produtividade e preservar a saúde de seus colaboradores. “Tivemos que nos adequar aos protocolos sanitários e conseguimos manter a produção com a mesma eficiência antes da pandemia. Certamente estamos conseguindo manter o ritmo de produção de acordo com os protocolos sugeridos pelos órgãos de vigilância e controle. Com a alta demanda do mercado, esperamos que continuemos a manter o ritmo da nossa produção”, reforçou.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email