Morte de Zezinho Corrêa deixa o Amazonas em luto

Mais um ícone cultural amazonense sai de cena em razão da Covid-19. A morte de Zezinho Corrêa, na manhã deste sábado, depois de mais de um mês de internação para tratamento da doença, deixou o Amazonas em luto. O velório será realizado, na tarde deste sábado, no Balneário do Sesc, segundo a assessoria da Fecomércio-AM.

Conhecido mundialmente pelo hit “Tic, Tic, Tac”, Zezinho foi ator, cantor e agitador cultural, tendo liderado a Banda Carrapicho durante muitos anos. Ultimamente estava desenvolvendo projetos no Sesc, onde exercia a função de assessor da Gerência de Programas sociais, e apresentava, desde o início de dezembro do ano passado, o programa “Na rede com Zezinho”, na TV Encontro das Águas.

Capa do LP “Eita! Chegou a hora”, gravado em 1988 – Foto: internet

Nascido em Carauari (AM), o artista iniciou a carreira como ator, depois de fazer um curso de formação no Rio de Janeiro. Zezinho atuou em diversos musicais até investir na carreira de cantor e, a partir de 1980, integrar a Banda Carrapicho, criada em 1978 pelo violonista Roberto Bopp, com o nome “Grupo Carrapicho”.

A banda foi registrada no Cartório de Registros Especiais em 7 de junho de 1980, pelos músicos Roberto Bezerra de Oliveira “Bopp” (Violão); Zezinho Nunes Correa (Cantor); Fernando Hugo Giffoni (Percussionista); (conforme documento registrado no Cartório) em Manaus.

A Banda Carrapicho foi primeiramente descoberta no exterior para depois fazer sucesso no Brasil. Em 1996, um produtor francês, Patrick Bruel, ouviu a toada Tic, Tic Tac na versão do grupo e decidiu lançá-la na França, tornando-se um dos maiores sucessos na Europa.

De lá, ela explodiu no país graças ao apresentador Augusto Liberato (Gugu) que a descobriu durante suas férias no verão europeu na França, em 1996. Depois disso, o sucesso foi intenso na televisão brasileira levando a Banda a ser contratada pelo selo BMG.

Zezinho Corrêa participou de todos os grandes eventos promovidos pela Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), ao longo nos últimos anos, como Boi Manaus, Passo a Paço, Carnaval, Festival Folclórico do Amazonas e Réveillon. O cantor também foi a “cara e voz” de Manaus na edição do Rock in Rio, em 2017. 

Morte de Zezinho Corrêa pela Covid-19

O cantos Zezinho Corrêa foi internado com Covid-19 no dia 5 de janeiro, após sentir febres e dores no corpo no dia anterior. Na unidade de saúde, ele recebeu medicação e fez fisioterapia pulmonar. No dia 7, foi transferido para um leito de UTI de um hospital particular de Manaus, para dar continuidade ao tratamento.

A demora no tratamento do cantor gerou muitas fake news durante o tempo em que ficou internado, com muita gente tentando antecipar a morte de Zezinho Corrêa.

No dia 28 de dezembro, o cantor participou do lançamento do livro “Eu quero é Tic, Tic, Tac – A saga de Zezinho Corrêa” em homenagem à sua carreira de autoria do jornalista e produtor cultural Fabrício Nunes. A solenidade ocorreu no Centro Cultural Palácio Rio Negro.

A morte de Zezinho Corrêa gerou uma grande comoção no Amazonas. O governador do Amazonas, Wilson Lima, e o prefeito David Almeida prestaram homenagem ao artista. Nas redes sociais, Wilson Lima disse que o Amazonas perdeu um de seus maiores ícones. David Almeida aproveitar para alertar sobre a necessidade manter os cuidados preventivos.

“O coronavírus calou hoje uma das principais vozes da nossa cultura. Aos familiares, amigos e fãs de Zezinho Corrêa, toda a nossa solidariedade. Que Deus seja o conforto nesse momento de dor. Com a sua partida, reforço a todos os manauaras o alerta: vamos nos proteger e cuidar de quem amamos. A pandemia ainda não passou. Que Deus abençoe a todos”

David Almeida, prefeito de Manaus

A Câmara Municipal de Manaus também publicou nota de pesar nas redes sociais. O presidente da CMM, David Reis, disse que Zezinho emprestou, durante anos, seu canto e seu bailado para divulgar a cultura do Amazonas.

Zezinho Corrêa virou sinônimo de alegria e descontração _Foto: Divulgação

Velório reservado

A família, através da assessoria da Fecomércio-AM distribuiu uma nota explicando que o velório será reservado apenas a familiares. Veja, abaixo, a íntegra:

A Família Corrêa informa que o velório do artista Zezinho Corrêa será hoje (6/2), das 13 às 16h30 na unidade Balneário do Sesc AM. Devido aos protocolos de segurança contra a disseminação da Covid-19, o acesso não estará aberto ao público e será restrito aos familiares e amigos.

Pedimos ao público que as homenagens sejam através de orações e no traslado do corpo entre a unidade Balneário do Sesc e o cemitério São João Batista, onde será feito o sepultamento às 17h. O cortejo será feito com batedores da polícia militar e em caminhão do corpo de bombeiros.

Agradecemos a compreensão e a todas as manifestações de pesar recebidas.

Nas redes sociais, autoridades, famosos e muitos anônimos manifestarem pesar pela morte do artista.

Reprodução do post do governador Wilson Lima no Facebook

Abaixo o episódio que foi ao ar no dia 18 de dezembro do ano passado do programa na Na rede com Zezinho.

Abaixo é possível ouvir o CD de maior vendagem da Banda Carrapicho: Festa de Boi Bumbá (1996), gravado pela BMG Music Brasil.

Disco conta com o hit “Tic, Tic, Tac”, na faixa 3
Com informações da Prefeitura de Manaus, Fecomércio-AM e Wikipedia

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email