15 de abril de 2021

“Minha Casa, Minha Vida” fecha ano longe da meta de 1 milhão

O programa "Minha Casa, Minha Vida", que neste ano ainda está longe da meta de 1 milhão de casas, só deve deslanchar em 2010, segundo expectativa do ministro das Cidades, Márcio Fortes. A meta é para o final do próximo ano

O programa “Minha Casa, Minha Vida”, que neste ano ainda está longe da meta de 1 milhão de casas, só deve deslanchar em 2010, segundo expectativa do ministro das Cidades, Márcio Fortes. A meta é para o final do próximo ano.
Para o ministro, a fase inicial do programa foi mais lenta devido necessidade de reprogramação das empresas da construção civil quanto a logística para atender a cidades do interior e a mudanças em projetos para construção de casas para as famílias com renda de até três salários mínimos.
Márcio Fortes lembra ainda que foi preciso negociação entre prefeitos e governadores e o Po­der Legislativo municipal para que fosse autorizada a doação de terrenos, entre outros ajustes. No caso da Caixa Econômica Federal, gestora do programa, foi necessário criar uma estrutura para agilizar a aprovação de projetos das cons­trutoras. Além disso, ressaltou o ministro, o momento inicial de baixar normativos já foi vencido.
Conforme o ministério, até o dia 14 deste mês, foram enviadas à Caixa propostas referentes a 595.657 unidades habitacionais, o que representa R$ 38,8 bilhões de investimentos. Desse total de unidades, 220.428 foram contratadas 132.125 para a faixa de renda de até três salários mínimos, 71.071 para a faixa de três a seis e 17.232 para a faixa de seis a dez.
O Centro-Oeste foi a região que concluiu a maior parte da meta. A previsão é de 69.785 unidades e a região já atingiu 37,1% do total. O Sul ficou em segundo, com a conclusão de 34,5% do total previsto de 120.017. No Sudeste, foram cumpridos 20,2% de 363.984. O Nordeste chegou a 20,6% da meta de 343.197 unidades. O Norte, por fim, cumpriu 8,4% da meta de 103.018 habitações.
Segundo o ministro, a diferença entre regiões depende da agilidade de prefeitos e governadores em organizar cadastros, liberar terras e mobilizar as empresas.
O presidente da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil), Paulo Safady Simão, afirma que o setor da construção civil está motivado, apesar de a contração de projetos ainda estar lenta. “A Caixa está ampliando os quadros [de funcionários que vão trabalhar na análise e aprovação de projetos]”, informou o dirigente do setor.
Apesar disso, Simão destaca que há estados, como o Maranhão, que já cumpriram a meta de projetos. Em janeiro, haverá uma avaliação do programa e pode haver remanejamento nas metas entre os estados.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email