Minc defende aliança com agricultura familiar

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, voltou a defender ontem o tratamento diferenciado para a agricultura familiar em relação ao agronegócio na discussão de mudanças no Código Flores­tal. Minc participou de ato em frente ao Ministério do Meio Ambiente, promovido pelos trabalhadores rurais que estão em Brasília para o Grito da Terra.
“Não é correto tratar o agricultor familiar, que tem 50 hectares e trabalha com a família, da mesma forma que aquele que tem 100 mil hec­tares e às vezes emprega boias-frias e até trabalhadores em situação análoga à escravidão”, defendeu, em discurso em cima de um trio elétrico para um público de cerca de 3.000 pessoas, segundo estimativas da Polícia Militar.
De acordo com o ministro, entre as possibilidades de concessões para os agricultores familiares na mudança do Código Florestal estão a soma da APP (Área de Preservação Permanente) e da reserva legal no cálculo da parte da propriedade a ser preservada, o uso de espécies não nativas para recomposição do que foi desmatado, com a utilização de árvores frutíferas, por exemplo, e a simplificação da averbação da reserva legal.
Com um boné da Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura), uma das entidades que organizam o Grito da Terra, Minc afirmou que tem uma “ligação histórica” com a reforma agrária. “A boa aliança é com o meio ambiente, com a preservação. Os ruralistas encolheram o rabinho de capeta e agora fingem defender a agricultura familiar. É conversa para boi dormir. Não se deixem enganar. Não é a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) que fala em nome da agricultura familiar, é a Contag e outros movimentos ­sociais”, afirmou.
O presidente da Contag, Alberto Broch, disse ao mi­nistro que a entidade apoia a proposta da área ambiental, mas pediu o fim da criminalização dos pequenos agricultores. Segundo ele, alguns já perderam propriedades inteiras por causa de multas ambientais.
“Sabemos que a batalha será árdua, inclusive dentro do governo. A proposta que a Contag apoia é a do mi­nistro Minc. Vamos trabalhar juntos, fazer um mutirão para viabilizá-la.”
Os participantes do Grito da Terra seguiram para o Ministério da Saúde e ainda iriam realizar uma manifestação em frente ao STF (Supremo Tribunal Federal).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email