Microservice firma parceria para produção de SMD

A Microservice da Amazônia, uma das maiores fabricantes de mídias digitais da América Latina e líder brasileira na produção de CDs de áudio, CD-ROMs e DVDs, divulgou na tarde de ontem a parceria com a Ralf Produções para fabricação exclusiva de SMD (Semi Metalic Disc), um novo suporte físico para a música e iniciativa importante de combate à pirataria.
A Ralf Produções é a detentora mundial da patente do SMD, e com o acordo, a Microservice será a única empresa do mundo com direito a fabricar o produto pelos próximos 20 anos.
Segundo a diretora de marketing da Microservice, Cibeli Fonseca, já existiam relações comerciais entre as duas empresas. Com a parceria de fabricação exclusiva, o material idealizado pelo cantor Ralf Richardson da Silva, da dupla Crystian e Ralf, ganhará maior exposição tendo o aval de qualidade da fabricante líder de mercado nacional.
“A diferença entre o CD tradicional e o SMD está na metalização, ou seja, quando os discos são produzidos, precisam de uma camada metálica de alumínio para que o laser possa fazer a leitura do conteúdo. O disco semi-metálico tem essa camada um pouco menor”, explicou Cibeli. O resultado disso é a menor capacidade de informações na mídia. Enquanto um CD comum grava em média 80 minutos, o SMD gravará 70 minutos. “O diâmetro do disco e qualidade, no entanto, serão as mesmas”, completou.
A diretora explicou também que o conceito do novo suporte não é apresentar uma proteção anti-cópias, como se imagina ao falar de combate a pirataria. “A vantagem está no preço ao consumidor final, diferencial nos produtos falsificados. O disco já sai da fábrica com o valor de R$ 5 impresso na embalagem”, ressaltou Cibeli.
O custo industrial para o artista será parecido ao da mídia convencional, mas as embalagens deverão ser mais econômicas, feitas em papel-cartão especial, e a distribuição deverá partir dos próprios artistas. “A comercialização por parte dos cantores gerará pra eles maior receita pois os direitos autorais não passarão às gravadoras”, afirmou a gestora.
A Microservice anunciou não ter feito investimento ou adaptação em sua linha de produção, pois a fabricação do SMD é similar a de CDs. Cibeli observou que o parque industrial permanecerá o mesmo. “Apesar das pequenas diferenças, para nós ainda se trata de um disco, e por isso não podemos avaliar o quanto cresceremos com esse suporte. Queremos sentir o mercado para então fazer estimativas”, disse.
A Microservice recebeu este ano o certificado de Programa de Concordância Anti-Pirataria Irma (International Recording Media Association), a primeira empresa brasileira a receber a certificação. Fabricante de mídias digitais desde 1987, sendo a primeira produtora de CDs no Brasil, a organização paulista atua em Manaus há 14 anos.
De acordo com sua diretora de marketing, a produção é toda feita na capital amazonense, onde são fabricados os discos e os materiais impressos, como as capas. A instalação de Manaus atende a gravadoras como as gigantes Warner e Universal Pictures, por exemplo. Atualmente, a Microservice detém cerca de 40% do mercado nacional de mídias digitais, segundo Cibeli.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email