Mercado cinza divide ao meio receita da área de ­segurança no país

O setor de segurança vem crescendo em ritmo acelerado no Brasil. Segundo dados da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), em 2006, só em produtos, o faturamento foi de R$ 466 milhões, com um crescimento de 15,4% com relação a 2005. Somando com serviços o valor salta para R$ 1,25 bilhão. Esses números, porém, caracterizam um grave problema: um grande contingente de microempresas que não são regularizadas e que atingem 51% de todo o segmento.

Esse mercado cinza engloba companhias não regulamentadas e que praticam a concorrência desleal. A Abese (Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança), calcula que existam no Brasil cerca de 7.000 empresas atuantes no setor de sistemas Eletrônicos de segurança, divididas entre revendedoras e instaladoras, monitoradores, distribuidores e fabricantes.
Por conta da relevância da proteção no cotidiano da população, os consumidores devem ficar atentos com essas empresas irregulares e com equipamentos ilegais. Além da falta de garantias, a forte atuação do mercado cinza traz também outras desvantagens. De acordo com a Abinee cerca de R$ 140 milhões em impostos deixaram de ser arrecadados em 2006, atingindo faturamento em torno de R$ 238 milhões, mais da metade do valor total registrado pelo segmento de segurança.

Com isso, nota-se a necessidade de ampliar a fiscalização e a regulamentação, para que não só a economia saia ganhando, mas principalmente os usuários. O governo e as entidades representantes do setor devem criar mecanismos para regularizar e minimizar os problemas causados por essa parcela de companhias que visam ao lucro, acima de qualquer outro bem. Segurança é um tema que requer muita atenção, já que lida diretamente com pessoas e patrimônios.

Associações ligadas ao mercado de monitoramento de alarmes podem tirar dúvidas e indicar quais são as mais confiáveis. Uma vasta pesquisa sobre a idoneidade da empresa a ser contratada, assim como a experiência no segmento também são requisitos importantes para identificar e contratar qualquer serviço, ainda mais proteção eletrônica. Contar com produtos de qualidade e poder confiar no serviço contratado, faz toda a diferença.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email