Os membros do Sindicato dos Médicos que foram ao encontro do vice-governador e secretário de Saúde, Carlos Almeida (PRTB), saíram de lá bem contrariados. Depois de uma assembleia na entidade, divulgaram nota em que firmam basicamente três posições: não aceitarão ser responsabilizados pela crise no setor; querem receber os atrasados devido à falta de pagamento das terceirizadas e exigem que o Estado estabeleça os critérios da carreira deles. O que mais irritou os profissionais foi o fato de que a autoridade não pretende firmar compromisso em torno do passivo, por entender que os contratos precisam ser reavaliados. O que está “pegando” também na relação é que os médicos não se conformam em ser dirigidos pela primeira vez em muitos anos por alguém estranho à profissão. Almeida é advogado e defensor público. Eles entendem que o mandatário está judicializando a Saúde do Estado e prometem reagir à altura. Nos bastidores não descartam uma greve geral, o que seria catastrófico para o atendimento ao público, até porque não existe, neste caso, a quem apelar se a turma de branco se rebelar.

AUMENTOU

O Portal da Transparência do Estado do Amazonas registrou crescimento de 20% no volume de acessos e consultas às informações públicas, em 2018, em relação ao ano anterior. Quando comparado a 2016, ano da implantação do site no Amazonas, o aumento nas pesquisas foi de mais de 160%, conforme o Google Analytics. No último ano, o portal, administrado pela Controladoria-Geral do Estado (CGE), contabilizou aproximadamente 365 mil sessões.

MOBILIZAÇÃO

Depois de garantir uma audiência com o ministro da Infraestrutura sobre a BR-319, bem que a bancada federal poderia forçar um encontro com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para cobrar dele a nomeação do novo superintendente da Suframa, o coronel do Exército Alfredo Menezes. Aliás, poderia ser uma audiência múltipla, com a presença de empresários, governantes e sindicalistas, o que daria uma grande demonstração de força.

ESTARRECIDO

O ministro chefe da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto Santos Cruz, está estarrecido com o levantamento que vem sendo feito dentro da Fundação Nacional do Índio. O órgão tem um orçamento anual de R$ 1,65 bilhão e a quantidade de ONG's inscritas ali para cuidarem de demandas relacionadas à causa indígena é enorme – algo em torno de 100 mil. Vai ter corte.

AQUI TAMBÉM

O governador Wilson Lima tem dito nos bastidores que não pretende manter a Fundação Indigenista do Estado. Seria mais um duro golpe nesse setor, mas teria o respaldo do governo central, que vem recomendando informalmente aos governos que incluam a questão indígena em outros órgãos, para impedir que a farra das Ongs continue.

VOTO ABERTO

O senador Omar Aziz disse ontem que o PSD deve apoiar o voto aberto para a escolha do novo presidente do Senado. Trata-se praticamente de uma declaração de guerra ao emedebista Renan Calheiros, que contava com os quatro votos do partido para tentar voltar ao cargo. Se o voto for mesmo público, as chances deve são reduzidíssimas.

GOLPE

Aliás, parte da mídia nacional considerava ontem “um grande golpe contra a operação Lava Jato” se o MDB indicasse Calheiros para presidente do Senado e o senador do Amazonas, Eduardo Braga, para a liderança do partido na Casa. É que os dois são citados em alguns processos e poderiam trabalhar, em postos de comando para enfraquecer as ações de fiscalização.

POLÊMICA

Causou surpresa e polêmica um acontecimento inusitado ontem no Centro de Manaus. Dois haitianos se desentenderam por conta da venda de picolés. Um policial que foi acabar com a briga acabou sendo ameaçado por um deles, que muniu-se de uma faca e partiu em sua direção, chegando a atingir-lhe o braço. O militar foi rápido, sacou a arma e acabou abatendo a tiros o agressor.

DISPUTA

O vereador Reizo Castelo Branco (PTB) tornou pública ontem sua briga, e de seus irmãos, com o tio, Gladiston Castelo Branco Maués, que teria ido à Justiça questionar a administração que eles vêm fazendo dos bens do pai, o deputado federal licenciado Sabino Castelo Branco (PTB), que se recupera de um acidente vascular cerebral que sofreu em 2017. Ele pode inclusive perder o amparo de um plano de saúde.

FRASES

A Zona Franca não é peso morto”, Arthur Virgílio Neto (PSDB), prefeito de Manaus

Os mais próximos já sabem dos ataques por que eu e meus irmãos estamos sofrendo há alguns meses, inclusive com inúmeras tentativas de arrancar meu pai do lugar que ele mais amava no mundo, os braços dos filhos”, Reizo Castelo Branco (PTB), vereador em Manaus, sobre a disputa com os tios pelos bens da família

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email