Médico do Amazonas relata reinfecção pelo Coronavírus

O médico Daniel Tanaka, que atua nas equipes de combate ao coronavírus em Parintins, no Amazonas, contou ter recebido um diagnóstico de reinfecção pelo vírus na semana passada. No relato, postado em sua página no Facebook neste sábado, ele afirma que foi a São Paulo, para uma investigação minuciosa.

"Já supostamente imune ao vírus, após (ter) cumprido meu período de isolamento, voltei ao combate na linha de frente. Confiante, fui fazer meu exame a fim de obter a detecção do IgG, que mostraria que meu organismo estaria recuperado. Minha decepção ao saber que ainda tinha apenas o IgM positivo", escreveu ele.

Ele conta que, em função da urgência em seu trabalho, decidiu retomá-lo antes mesmo que o anticorpo fosse positivado. "Estava bem. A dor torácica havia passado. Meu pulmão estava 100%. Era hora de enfrentar todos os desafios, pois o Hospital estava lotando e mais e mais pacientes internavam com gravidade importante."

No dia 23 de maio, porém, ele começou a se sentir muito fadigado e não conseguia sair da cama. "Mas obviamente não tinha escolha. Fui trabalhar. Sábado à noite, febre e calafrios. Coriza." Ainda assim, ele encarou mais um dia de trabalho. "Saí acabado do hospital, mas feliz. Mais uma noite com febre. E, no outro dia, muita dor no peito. Nesse momento um filme passou pela minha cabeça. Eu, que havia me isolado da minha família por 52 dias para protegê-la, poderia estar novamente com Covid-19? E ainda fatalmente as teria contaminado."

Ele segue: "Fui realizar exames. Meu IgG teimou em não se mostrar positivo. O IgM mais forte do que nunca. E meu hemograma com leucócitos e plaquetas baixas. Seria uma outra infecção viral? (…) Terça fui para tomografia. E para o meu desespero, lesões agudas compatíveis com COVID, em torno de 15%."

Ele também conta que alguns amigos o aconselharam a ir para São Paulo, em busca de uma investigação minuciosa . Ele foi, então, para o Hospital do Coração, onde fez novos exames cujos resultados foram positivos para a presença do vírus em seu organismo.

"A equipe da infectologia optou então por me internar. Para investigar a fundo o que está acontecendo, e principalmente para tentar brecar esse avanço rápido da doença em meus pulmões.Ainda sinto muito desconforto no tórax, e hoje ainda tenho alguns exames e muitas medicações para tomar", escreveu, finalizando o relato com a seguinte frase: "Espero que meu próximo post seja sobre minha alta".

Fonte: Redação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email