Marketplace de cannabis medicinal no Brasil

No fim de março, Fernando Domingues, cofundador e presidente do conselho da Conexa Saúde, foi tomar um café com Allan Paioti, na época diretor-executivo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Durante a conversa, Domingues disse que estava investindo na criação de uma plataforma focada em cannabis medicinal.

“Aquilo fez meu estômago mexer, percebi que era algo diferente, que eu precisava participar”, diz, ao NeoFeed, Paiotti, que pediu para entrar no negócio e foi estudar o mercado a fundo.

Agora, junto de Domingues, e outros investidores de peso como Rapha Avellar, Ricardo Dias e Gerard de Roure, da Adventures; Thiago Maluf, da Igah Ventures, e os médicos Abdalla Skaff e Gustavo Nobre, está lançando oficialmente a Cannect.

A plataforma, que nos últimos três meses vinha funcionando de forma experimental, visa resolver algumas dores dos usuários e dos médicos. “Somos um marketplace inclusivo. Já nascemos com 200 produtos disponíveis de um portfólio que mapeamos no Brasil de cerca de 350 produtos”, diz Paiotti, que deixou o comando do Oswaldo Cruz em abril e se tornou o CEO da startup.

A ideia é que qualquer remédio de cannabis medicinal prescrito por um médico seja encontrado na plataforma que começa com um site e depois ganhará um app. “Temos uma cabeça de healthtech para trabalhar a relação entre o paciente, o médico e o fornecedor”, afirma Paiotti. Isso, diz ele, é traduzido pelos serviços embarcados.

Se o paciente não tiver uma prescrição para comprar o remédio, a Cannect dispõe do serviço de teleconsulta fornecido pela Conexa Saúde. Dependendo do caso, o médico gera uma prescrição que vai para a plataforma e a startup cuida de toda a jornada. “Pegamos a prescrição, aprovamos junto à Anvisa, fazemos a intermediação de compra e entregamos na casa do cliente”, diz o CEO da Cannect.

O complicado trâmite é um dos maiores entraves para a popularização dos remédios a base de cannabis medicinal. Paiotti conta que uma das grandes reclamações dos médicos é que, ao prescrever o uso da cannabis medicinal, “começa a dor de cabeça deles”.

Isso acontece porque o paciente não encontra o produto, ou porque é caro e ele não tem opção, ou porque é burocrático e tem que aprovar na Anvisa. Um medicamento demora, em média, 25 dias para chegar na casa do cliente. A Anvisa pede até 10 dias úteis para aprovar a prescrição do paciente.

A Cannect, dizem seus fundadores, está fazendo um trabalho de curadoria dos produtos disponíveis na plataforma. Mas os sellers não podem vender diretamente. Tudo passa pela plataforma, que faz o meio de campo e ganha um percentual sobre as vendas.

“No futuro, em uma segunda etapa, a Cannect pretende criar assinaturas”, diz Fernando Domingues, o idealizador da plataforma e chaiman da startup. Nesse modelo, o paciente teria uma consulta mensal e a entrega do medicamento.

Os usuários desse tipo de remédio não são pacientes com um problema pontual, eles têm, em sua maioria, doenças crônicas e precisam usar o medicamento por um longo período. “Não é um negócio fitoterápico, paz e amor, alternativo. É medicina, tem contraindicação, tem efeitos de combinação com outros medicamentos. Tem rigor médico”, diz Paiotti.

Há diversos estudos que mostram que a cannabis medicinal, com seus extratos de canabidiol (CBD) e tetrahidrocanabinol (THC), tem aplicações consistentes em saúde mental, em dores crônicas, em neurologia, neuropediatria e saúde do esporte. Vale lembrar que durante os Jogos Olímpicos de Tóquio o uso do canabidiol foi liberado para os atletas.

Além do foco no cliente final, no B2C, a Cannect também está em conversas com clínicas, laboratórios e hospitais para vender diretamente a eles – em quantidades maiores. Mais: outra linha de negócios que a companhia pretende avançar é em alimentos e suplementos, roupas e até medicamentos para pets.

Os empreendedores estão de olho em uma indústria gigantesca. Só no ano passado, estima-se que a cannabis legalizada movimentou cerca de US$ 20 bilhões nos Estados Unidos – metade medicinal e a outra metade para uso recreativo.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email