25 de junho de 2022

Mantega fala em novo patamar

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu que a cotação do dólar mudou de patamar (para cima), em função da reversão dos estímulos nos EUA e da piora da balança comercial brasileira

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu que a cotação do dólar mudou de patamar (para cima), em função da reversão dos estímulos nos EUA e da piora da balança comercial brasileira. Mas disse não acreditar em patamares elevados para a taxa de câmbio. No mercado, já há previsões de que o dólar possa chegar a R$ 2,70 até o fim do ano.
A avaliação do ministro é que o mercado cambial está volátil, e espera que o nervosismo se reduza quando o Fed (banco central dos EUA) definir a retirada de estímulos da economia americana. “Quando o Fed começar essa redução, talvez fique claro o que ele vai fazer, e o mercado se acalme. É um momento de volatilidade”, disse.
Segundo Mantega, o dólar mais caro veio para ficar. Mas indicou que não acredita em uma desvalorização mais forte do que já ocorreu. “Esse é o novo câmbio, agora onde ele vai ficar eu não sei”, disse. “Pode subir mais um pouquinho, descer mais um pouquinho. O governo age para impedir que haja excessiva volatilidade. Portanto, não acredito nesses patamares elevados que estão sendo mencionados”.
A avaliação de Mantega é que a elevação da taxa de juros americana, no entanto, ainda vai demorar a ocorrer. A previsão do ministro é que isso ocorra “em 2014 ou mais”.
Mantega participou de reunião com empresários, organizada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), em São Paulo.

Pessimismo

Mantega disse ainda que “não se justificam” as análises pessimistas da economia brasileira, e que as concessões de infraestrutura deverão dinamizar a atividade neste segundo semestre.
“Não se justificam análises que não vamos crescer nada no segundo semestre e 1% no ano que vem. Não tem fundamento. Não só pelas análises que o governo faz, mas também das perspectivas que o setor privado faz”.
Depois de uma reunião de cerca uma hora e meia com empresários, organizada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), Mantega citou que os setores químico, automobilístico e de construção civil estão crescendo. “Podemos verificar que não só a economia cresceu razoavelmente bem no primeiro semestre, como poderá seguir trajetória semelhante no segundo”, afirmou.
Mantega enumerou que aeroportos estão sendo reformados e outros serão leiloados. Disse que, no setor elétrico, “estão havendo leilões a cada 15 dias” e que há duas importantes concessões a caminho, no setor de petróleo (áreas do pré-sal) e de rodovias.
“Deixei claro [aos empresários] que a nossa estratégia é tornar esses leilões atrativos para o setor privado, dando a possibilidade de rentabilidade elevada”, disse.

Indústria

Segundo Mantega, o câmbio mais elevado é favorável para a indústria. E a inflação mais moderada, de acordo com a sua previsão, deverá impulsionar o consumo das famílias.
“A confiança do empresário, que tinha caído com o Fed e mobilizações populares, está retomando e é fundamental animar o empresário”, analisou.
Ele disse que a inflação “causou estrago” no primeiro semestre e afetou o poder aquisitivo dos consumidores.
“O consumo varejista, que não foi bem no primeiro semestre, começou uma virada e pode ir melhor no segundo”, disse.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email