Maior apoio das Aters evita riscos

As ações articuladas entre o serviço de Ater (Assistência Técnica e Extensão Rural) e o Seaf (Seguro da Agricultura Familiar) estão em ampliação em todo o Brasil na safra 2007/2008. Além de promover melhores condições de produção e geração de renda na propriedade rural, essas ações da SAF/MDA (Secretaria de Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário) também envolvem o levantamento de informações para desenvolvimento de pesquisas científicas.
O levantamento visa aprimorar o zoneamento agrícola e a realização de estudos sobre sistemas de produção, risco e produtividade. Isso será possível com o trabalho de Ater aos produtores segurados e das unidades de referência que, por amostragem, realizam visitas técnicas nas propriedades rurais para acompanhamento in loco dos agricultores familiares.
O trabalho começou como um projeto-piloto nas duas safras passadas. Mas, a partir de agora, suas atividades de acompanhamento dos agricultores ocorrerão de forma mais completa, abrangendo atividades por todo o país. Uma das novidades é que agora os solos das propriedades visitadas serão avaliados mediante análise química e física em laboratório, para melhor orientação do agricultor familiar quanto à correção de solo, à adubação e a técnicas de manejo.
Os laudos, que até então só tratavam das condições da lavoura, agora serão mais completos, colhendo informações sobre a propriedade como um todo, incluindo atividades/culturas/empreendimentos, uso da terra, força de trabalho ocupada, produtividade e renda familiar. Toda propriedade integrante da unidade de referência será obrigatoriamente georreferenciada, com a tomada das coordenadas por meio do Sistema de Posicionamento Global, conhecido como GPS.
O público-alvo é composto de agricultores familiares participantes de programas de seguro agrícola da SAF/MDA. Até a safra passada, estava restrito ao grupo C do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar).
A partir da safra 2007/2008, esse universo está sendo ampliado para incluir os demais beneficiários do Seaf e, também, do Garantia-Safra.
Dentro da propriedade rural, a atuação dos técnicos nas unidades de referência será para melhorar a qualidade das lavouras e das atividades rurais ali desenvolvidas, identificar possibilidades e orientar o produtor sobre técnicas de manejo e absorção de novas tecnologias. Isso tudo considerando que, apesar da limitação de recursos, um dos objetivos mais importantes é promover melhor utilização e melhor aproveitamento dos recursos de que dispõe o produtor.
Além disso, os técnicos terão a função de orientar o agricultor quanto à identificação das oportunidades mais promissoras e mais viáveis para o local; promover a diversificação de culturas e de atividades; orientar sobre investimentos e novas possibilidades de geração de renda. Entre os principais objetivos, esse trabalho visa reduzir o nível de risco a que está exposto o agricultor familiar e dar maior estabilidade ao fluxo anual de rendas, por meio da adoção de técnicas e cuidados de manejo. A idéia é evitar/minimizar situações de perda em anos com eventos adversos e elevar a renda média anual.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email