Pesquisar
Close this search box.

LinkedIn, cada vez mais atual

Em 5 de maio deste ano o LinkedIn (linked + in, em conexão) completou 20 anos de seu lançamento nos Estados Unidos. Ao Brasil, essa plataforma focada em negócios e empregos, chegou há 13 anos, em maio de 2010. Com a pandemia, o número de usuários disparou no país atingindo 63 milhões de usuários ativos, confirmando que o LinkedIn é uma importante ‘tábua de salvação’ para quem, de uma hora para outra, vê seu emprego em perigo.

“O LinkedIn é a única rede social que além de poder captar vagas, prospecta possíveis clientes potenciais. Por meio dele você constrói conexões de grande valor, não somente de vagas, mas também de parcerias para trabalho, clientes e fornecedores. Até hoje a plataforma tem a maior flexibilidade para encontrar conexões lucrativas, aquelas que trazem riqueza para os seus objetivos no mercado de trabalho, independente de sua posição”, afirmou Matheus Arcanjo Dias, Consultor de Carreira e LinkedIn, Analista Comportamental, e BPO Financeiro.

Atualmente o LinkedIn é a sexta rede social mais usada no Brasil, atrás do WhatsApp, YouTube, Instagram, Facebook e TikTok. Segundo Matheus, cerca de 5% da população de Manaus utiliza o LinkedIn e o Brasil é o terceiro país com maior número de usuários no mundo, atrás dos Estados Unidos e da Índia. Para o analista, com o número crescente do desemprego que se desenha no país desde os primeiros meses do ano, é provável que o acesso ao LinkedIn cresça na mesma proporção.

“Com toda certeza isso acontecerá, por isso é importante que os usuários saibam desde já, que aqueles mais ativos da plataforma, conseguem ter sucesso em menos tempo nos processos seletivos, pois os recrutadores e lideranças de empresas estão sempre lá, de olho nos bons profissionais, então, quem for ativo e plantar a semente agora, logo a verá brotar com a recolocação num novo emprego”, disse.

Menos de 35 anos

Outra dica de Matheus é que no Linkedin não basta somente querer algo, como ser notado pelos recrutadores sem oferecer nada em troca.

“É necessário que você seja interessante para o público que o segue. Se você quer uma recolocação, deve mostrar o porquê é atrativo para aquela empresa, em que pode contribuir e se tem os requisitos para a vaga que os recrutadores estão ofertando. A melhor forma de mostrar isso é tendo um perfil vitrine, um perfil campeão, aquele preenchido em todas as sessões constantes no perfil, de forma que você mostre os seus resultados e competências”, explicou.

Detalhe. Aqueles que passam dos 50 anos reclamam da falta de oportunidades de empregos, mas pessoas com mais de 35 anos, praticamente não utilizam a plataforma. 80% dos usuários do LinkedIn têm idade inferior a 35 anos, e cerca de 60% está na faixa dos 25 aos 34 anos. 57,2% são homens e 42,8%, mulheres. E o quadro de usuários é variado formado tanto por profissionais experientes quanto por pessoas que ainda estão iniciando na vida profissional. Também entram na lista, diretores e CEOs de empresas.

Matheus, “o objetivo do LinkedIn é realizar conexões lucrativas”

“Muitos profissionais não sabem da importância de estar no LinkedIn. Entre as vantagens podemos citar o networking que, hoje em dia, é o fator mais destacado num processo seletivo que prima pela indicação de alguém já conhecido no mercado. É também a forma mais simplificada e interativa de se conseguir uma indicação e até mesmo achar a vaga certa e o profissional certo”, falou.

“A única desvantagem que vejo é se o usuário quiser utilizar o LinkedIn como se fosse o Facebook, postando sua vida pessoal e falando de assuntos polêmicos. O maior perigo é você sujar seu nome no mercado de trabalho. O objetivo do LinkedIn é realizar conexões lucrativas”, ensinou.

Sempre passando por atualizações, a mais recente novidade da plataforma é a opção de clicar em ‘quero trabalhar nessa empresa’, o que faz com que os recrutadores notem esse usuário com mais atenção.

Matheus Arcanjo presta consultoria para profissionais que queiram empreender, construir uma marca de forma estratégica pela rede ou até mesmo buscam se recolocar no mercado. Mais de 80% de seus clientes já foram recolocados em um novo emprego pelo LinkedIn. Informações: 9 9393-6608. 

Evaldo Ferreira

é repórter do Jornal do Commercio
Compartilhe:​

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

Pesquisar