Kirchner diz que Brasil e Argentina atravessam relação inédita

A presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, afirmou na segunda-feira que seu país e o Brasil atravessam uma relação “inédita” e de “comunhão” bilateral, com uma relação marcada pelo “afeto” e “uma visão comum da necessidade desta vinculação estratégica produtiva”, durante a abertura de um fórum bilateral do qual participaram mais de 300 empresários.
“Estamos atravessando uma etapa de crescimento e, além disso, uma comunhão entre ambas as gestões poucas vezes vista, eu diria inédita, na história comum entre Brasil e Argentina”, afirmou, no seminário “Argentina-Brasil: Uma Aliança Produtiva Chave”, organizado durante o Encontro Empresarial Binacional Para o Desenvolvimento de Estratégias de Cooperação e Articulação Produtiva, em Buenos Aires.
A presidente argentina Cristina Kirchner disse que o evento busca “aprofundar as transformações que ambos os países estão experimentando e aproveitar uma oportunidade única que se apresentada a nós como aliança bilateral, como Mercosul e como região frente um mundo que muda cada mês mais rápido”.
“Pela primeira vez em muito tempo estão sendo modificados os termos da troca comercial internacional; muitas vezes como países emergentes nos víamos prejudicados, hoje nos vemos favorecidos”, acrescentou. “Estamos perante uma oportunidade que não podemos perder”, disse Cristina, para a qual a região “será no século 21 uma protagonista, e não mera observadora”.
O presidente Lula, que chegou domingo à noite a Buenos Aires acompanhado de uma grande representação empresarial e de boa parte de seu Gabinete, participará nas próximas horas em uma reunião com Cristina e o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, antes de concluir sua visita à Argentina.
O seminário é organizado pela Chancelaria argentina, o Ministério da Planificação Federal e a Secretaria de Indústria, com colaboração da UIA (União Industrial Argentina) e a Fiesp (Federação das Industrias do Estado de São Paulo).
A imprensa argentina destacou a viagem do presidente Lula ao país vizinho, que teria como objetivo desfazer o mal-estar causado pela divergência de posições dos dois países na semana passada, em Genebra (Suíça), durante as tentativas de fazer avançar a Rodada Doha de liberalização do comércio mundial.
Para o diário argentino “La Nación”, a visita de Lula constitui tanto para o governo de Cristina Kirchner e para o setor industrial argentino “uma oportunidade para restabelecer a confiança perdida entre os sócios do Mercosul”. Já o jornal “Página 12” informou que o encontro entre os presidentes e empresários dos dois países “pretende ser um gesto de fortalecimento político ao intercâmbio comercial”.
A breve visita de Lula, constitui tanto para o governo de Cristina Kirchner como para o setor industrial nacional “uma oportunidade para restabelecer a confiança perdida entre os sócios do Mercosul”. O jornal destaca as assimetrias entre os intercâmbios comerciais dos dois países, que desfavorecem a Argentina. Um relatório citado pelo jornal aponta que “o déficit comercial da Argentina em relação ao Brasil chegou a US$ 662 milhões em julho”.
O jornal “Página 12” disse que o presidente chegou à Argentina com “o pão embaixo do braço” ao desembarcar com uma vasta delegação de empresários que devem anunciar investimentos e créditos no país. Algumas alegrias que podem ser brasileiras é o título da reportagem que o diário argentino dedicou à “visita histórica de Lula, considerada a mais importante dos últimos tempos”.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email